domingo, 3 de março de 2013

O MISTÉRIO REVELADO: CRISTO E A IGREJA. PASTOR CLAUDIO MORANDI.



Pelo que, quando ledes, podeis compreender o meu discernimento do mistério de Cristo, o qual, em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas, no Espírito. Efésios 3:4-5.
Nosso transplante de coração foi realizado na cruz em Cristo, quando cremos neste fato ganhamos a real experiência de morte e ressurreição, ou seja, o novo nascimento, e adquirimos um novo sentindo. Mas que novo sentido é esse? O sentido que tem a ver com algo envolvido com o bater do coração de Deus. Irmãos, para entendermos o mistério é necessário enxergarmos através dos olhos de Deus e passar a ver as coisas sob seu ponto de observação, e não mais do nosso. Assim vamos descobrir algo sobre o que significa ver o invisível. Essa visão do Senhor deve nos atingir de tal modo que apaguemos tudo que nos possibilitaria de vermos o Senhor com os olhos físicos (intelecto), para então descobrirmos que os intangíveis estão onde a realidade está. 2 Coríntios 4:18 não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.
O que muitos precisam fazer é exatamente isso: pela cruz, resetar o botão da sua vida velha e depois apertar a tecla delete (morte) e verás todas as atividades religiosas desaparecerem. Depois é só reiniciar o computador espiritual de sua vida. É somente com essa experiência que vamos descobrir a paixão ardente de Deus. O mistério é que o Pai arranja uma noiva para o Filho pelo Espírito e depois constrói uma casa na qual, Ele, o Filho e a noiva habitarão juntos no Espírito. O Pai, o Filho e a noiva vivem naquela casa como família. Os filhos constituem uma família, uma nova humanidade chamada corpo de Cristo. Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito. 1 Coríntios 12:13.
Hoje o mistério está tão claro para nós, mas desde o início, Deus guardou em segredo. No início de tudo, o Todo poderoso ocultou seu Alto e Santo Propósito como um mistério. Ele o escondeu em Seu Filho. Por séculos, ninguém conheceu qual era seu propósito. Deus o escondeu em Seu Filho. Esse era o segredo, o segredo dos séculos. Romanos 16:25 Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério guardado em silêncio nos tempos eternos.
O propósito de Deus personifica seu sonho, sua paixão e o pulsar de seu coração. Assim, Deus manteve esse propósito escondido até que o tempo se cumprisse. Os autores do Antigo Testamento primeiro proclamaram o mistério sagrado nas histórias, tipos, imagens e sombras. Mas, embora reis, profetas e sagas o proclamassem, eles não compreenderam. No dia em que Deus ergueu a cortina e deixou que o segredo fosse descoberto, seu inimigo congelou de terror. Satanás nunca vira, sonhara ou pensara que tal coisa fosse possível. Embora Deus tenha revelado seu mistério no primeiro século, ele ainda permanece como um segredo para muitos cristãos, hoje em dia. Graças ao Senhor porque um dia Ele quis revelar o seu segredo. O Senhor quis, a cortina foi aberta e o segredo revelado. O mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos; aos quais Deus quis dar a conhecer qual seja a riqueza da glória deste mistério entre os gentios, isto é, Cristo em vós, a esperança da glória. Colossenses 1:26-27.
O segredo revelado “é Cristo em vós a esperança da glória”. Mas vamos nos aprofundar mais em nosso estudo. Para compreendermos melhor o segredo de Deus temos que voltar a criação, ou melhor, um dia após a criação. A criação está terminada, mas Deus não. A terra está cheia de vida. Plantas, pássaros, peixes. Vida animal. Mas Adão, o primeiro humano concebido por Deus, está sozinho. O Sabá termina e já é domingo, o primeiro dia da semana. É o oitavo dia da criação. Deus dá a Adão uma tarefa assustadora: dar nomes a todos os pássaros e criaturas terrestres. Depois vemos que cada criatura que marchava à sua frente ele a observava, e via que cada uma tinha companhia. Cada forma de vida tinha uma contrapartida. Diante da solidão e frustração de Adão, o Senhor Deus pronunciou estas palavras em Gênesis 2:18  Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.
Mas para Deus fazer sua companheira, Ele faz algo extraordinário. Deus faz o homem dormir profundamente. Essa pode ser a primeira vez que o homem tenha dormido antes da queda. Se for assim, aquele sono profundo não foi uma coisa pequena para Adão. Ali estava um mistério, pois havia uma mulher escondida dentro de Adão. Deus fez seu trabalho mais esplendoroso enquanto Adão dormia. Esse episódio contém uma importante mensagem: “Quando o homem descansa, Deus trabalha”. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem. Salmos 127:2.
Quando Adão dormiu profundamente, e este sono é uma figura da morte de Cristo na cruz, então “Deus moldou uma mulher” (Assim está no texto hebraico). Essa mulher não é parte da primeira criação. Ela surge depois da criação no oitavo dia. Por conseguinte, essa mulher é nova criação. Vamos imaginar a cena: a cirurgia está concluída, e ele acorda do sono anestesiante de Deus. Ele esfrega os olhos para eliminar o sono, e olha ao redor. O que ele vê está além da imaginação. Diante de seus olhos está um ser vivo e pulsante. Outro ser humano. Mas não um ser humano qualquer, ela é Adão de outra forma. Gênesis 5:2 homem e mulher os criou, e os abençoou, e lhes chamou pelo nome de Adão, no dia em que foram criados.
Agora vamos considerar algo muito importante: a maneira como Adão obteve sua noiva foi um reflexo vivo de como Cristo obtém a sua. Como Adão, o Senhor foi induzido a um profundo sono. Há duas razões principais para isso. Em primeiro lugar, por meio da morte, Jesus Cristo destruiu tudo que ficaria em seu caminho para conquistar a mão de sua amada noiva. Isto é, Ele destruiu o pecado que iria separá-la eternamente dEle. Ele cumpriu toda Lei que iria sufocá-la sob uma montanha da servidão religiosa e uma pilha de condenação esmagadora. Ele destruiu o poder do mal que ansiava por tomar-lhe a vida. Ele destruiu o sistema do mundo, que iria enganar o coração para se desviar dEle. Ele destruiu a velha criação, que iria desonrá-la. Porém, o mais importante, Jesus destruiu a própria morte para garantir que o objeto de sua paixão nunca experimentasse o fim. Hebreus 2:14  Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo. O Senhor se assegurou de que tinha removido tudo o que pudesse ferir sua amada noiva antes que ela viesse a existir. Por essa razão, Ele não podia permitir que ela aparecesse até que a morte fosse vencida. Jesus havia esperado por séculos para ter uma companheira, por isso garantiu que, uma vez que o romance tivesse início, nunca terminaria. Portanto, quando o Senhor e sua tão esperada noiva vêm, Ele já derrotara o último inimigo, para que a morte nunca pudesse separá-los.  Quando Cristo ofereceu a Si mesmo para a morte está ligada a um dos maiores imponderáveis conhecidos do homem. Eis o mistério, o Senhor morreu para trazer sua amada noiva para fora de Si mesmo. Jesus Cristo, “suportou a cruz” contemplando a “alegria que estava lhe estava proposta”. E aquela alegria era a sua noiva. olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Hebreus 12:2. Amém.