quarta-feira, 30 de maio de 2012

APOLOGIA DE UM LADRÃO.

Apologia de um ladrão
Autor :Prof. Paulo CristianoPublicado em :Segunda, 06/08/2007






Também, com ele, crucificaram dois salteadores, um à sua direita, e outro à esquerda.” (Marcos 15:27)
O título pode parecer um tanto estranho, mas é isto mesmo, houve na história um ladrão que através de seus sôfregos últimos minutos de vida, demonstrou que o evangelho de Cristo é realmente o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. A sua passagem pela história é deveras efêmera, no entanto, possui um poder devastador com capacidade de desmantelar uma vasta quantidade de ensinos errôneos por demonstrar a maravilhosa realidade da graça de Deus através de sua vida. 


O que é o evangelho de Cristo?

O evangelho é as Boas Novas que Cristo veio trazer ao pecador. É o sim de Deus a humanidade. É o anúncio da salvação oferecida gratuitamente por Deus ao homem através de Jesus Cristo. Outrossim, é o único meio pelo qual o homem pode herdar a vida eterna.

A salvação envolveu o oferecimento do sacrifício de Cristo na cruz a fim de fazer a propiciação pelos nossos pecados e pagar o preço pelo nosso resgate. Desta maneira Deus aceita-nos na base do sacrifício de seu filho e não de nossos méritos. O pecador cooperando neste plano de salvação responde através de seu livre arbítrio, fé e arrependimento tomando a decisão de ir ao encontro dessa dádiva. Como conseqüência desta provisão feita por Deus através de Cristo, o homem experiência os efeitos que ela proporciona em sua vida, tais como justificação, regeneração, adoção e santificação, sendo preenchido pela paz de Deus que excede todo entendimento.

Isto é o que chamamos de salvação. É simples e descomplicado. Todavia, o homem em sua mente carnal não consegue compreender a maravilhosa dádiva de Deus e tentam justificar-se perante Ele com seus próprios esforços. Forja para si filosofias floreadas de sofismas tendo como meio a observância de dogmas inventados pela religiosidade, fruto de sua mente carnal. Sendo que para Deus tudo isto não passa de trapos sujos (Isaías 64:6).


Salvo pela fé


Talvez aquele pobre homem tenha crescido no meio da religiosidade de Israel, tendo como espelho a religião farisaica que naqueles tempos havia ser tornado uma religião vazia e sem propósitos, incapaz de ligar o homem novamente a Deus. Existiam ali inúmeras seitas como a dos Essênios, Saduceus, Zelotes e tantos outros tipos de cultos apocalíptico e místico, cada qual oferecendo alternativas para se alcançar o favor divino. Mas nada disto satisfez o anseio e o clamor da alma daquele homem que não tendo outra alternativa, a não ser a de se entregar ao pecado, debandou para a vida de crimes. A religião dos homens não conseguiu preencher o vazio de sua alma. A religião procura agradar a Deus com seus próprios esforços levando assim, cada vez mais, o ser humano para longe do seu criador. No entanto, naquela sexta-feira, debaixo do escaldante sol das três horas da tarde, aquele homem encontrou o que havia almejado a vida inteira – a salvação de sua alma. Todos os sermões que Cristo pregou foram convergidos na prática para aquele momento. A grande verdade central do evangelho ficou demonstrada ali de modo insofismável, qual seja: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2:8,9) 


Um Ladrão Contra as Heresias

Se aquele ex-ladrão pudesse voltar, acredito que ele faria uma apologia de sua salvação perante as heresias dos religiosos de sua época. O que você acha que ele diria aos... 

Saduceus:
 Com certeza ele diria à religião dos saduceus, acostumados a negar a existência da alma e da ressurreição, que ele mesmo havia experimentado a plena consciência depois da morte, pois Jesus havia dito que não deveríamos temer “os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo.” (Mateus 10:28)

Ainda defenderia a doutrina bíblica do inferno de fogo, pois em detrimento do que ensinava a doutrina de certas religiões, Jesus por sua vez havia advertido incansavelmente contra esta dura realidade dizendo: “Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; E irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.” (Mateus 25:41,46) Sim, o inferno é um fato e não um mito pagão! É um truque de Satanás querer remover o temor do inferno do coração dos homens.

Fariseus:
 Ao fariseu apegado à vida religiosa, entorpecido pela teologia legalística da salvação pelas obras ele diria que nunca havia guardado os dez mandamentos ou lei alguma, mas mesmo assim foi salvo no último instante pois o novo nascimento é instantâneo como disse Jesus: “para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:8-16) Somos salvos para as boas obras e não por elas!

Cabala:
 Aos judeus místicos adeptos da metempsicose ou reencarnação, ele diria que não havia necessidade de tal coisa, pois o sangue de Jesus o havia purificado de todos os pecados (I João 1:9), portanto, o sacrifício perfeito de Cristo na cruz dispensa qualquer tipo de purificação em vidas sucessivas. E também não necessitava de códigos secretos ou dogmas misteriosos para contemplar a divindade, já que quem olha para Jesus pela fé vê o Pai (João 10:30 – 14:9).

Zelotes:
 A estes, acostumados a fazer justiça com suas próprias mãos, o ladrão argumentaria que o reino de Deus não é deste mundo (João 18:36), mas do céu (Romanos 14:17). A revolução através de um evangelho social estribado numa teologia da libertação nunca irá suprir a verdadeira necessidade humana a não ser pela transformação espiritual de dentro para fora (João 3:7). O que a Bíblia chama de novo nascimento. 

Essênios:
 Aquele homem diria aos ascetas essênios que ainda esperavam um messias para libertar Israel, que este messias é Jesus, mas primeiro era mister que Ele viesse como o servo sofredor de Isaias 53 para nos libertar primeiro de nossos pecados e só depois então viria como o Rei dos reis e Senhor dos senhores do livro de Daniel a fim de cumprir a promessa de um reino a Israel.


Uma Palavra aos Heréticos Modernos

Se pudesse, abriria a sua boca aos líderes heréticos modernos que subverteram e ainda subvertem o evangelho de Cristo com mentiras, que confia mais em seus credos e esforços para a salvação do que na graça de Deus; diria a eles que não há necessidade de nada disso, pois Jesus é o único sacrifício por nossos pecados, agora o que nos cabe a fazer é aceitar pela fé esta dádiva de Deus que está em Cristo Jesus.

E diria mais: diria aos mórmons e aos católicos que não há necessidade de batismos para a salvação, pois ele não teve tempo de descer da cruz e se batizar, mesmo assim foi salvo, provando que o batismo não é vital para a salvação de ninguém!

Diria aos adventistas e aos católicos que seus credos estão errados quando fazem depender a salvação da guarda dos dez mandamentos ou do sábado, pois ele mesmo nunca os guardou, contudo foi salvo mesmo assim. 

Diria aos espíritas que eles estão enganados quando afirmam que “fora da caridade não há salvação” pois ele mesmo nunca havia feito uma boa obra para seu próximo e mesmo assim foi salvo. E que a reencarnação é invencionice humana, pois no seu caso haveria necessidade de expurgar seus pecados proveniente de seu carma passado e que a dívida que ele contraiu aqui, deveria, segundo diz o espiritismo, ser paga em outras reencarnações. Mas não precisou nada disso, pois Jesus garantiu a purificação de seus pecados naquele instante e como conseqüência ganhou o céu. 

Diria às Testemunhas de Jeová que não há necessidade de pertencer a organizações nenhuma para receber a dádiva da vida eterna, pois ele nunca havia pertencido a nenhuma delas e mesmo assim foi salvo. E que não precisou esperar o paraíso num futuro incerto depois do armagedom, pois Jesus havia garantido o paraíso para ele naquele instante (Lucas 23:43).

Mais do que ninguém aquele ex-ladrão, agora convertido e salvo através da fé pela graça divina, rejeitaria todos estes falsos evangelhos por não condizer com a santa palavra de Deus!

“Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” (Gálatas 1:6-9).



Presbitero da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, professor de religiões, vice-presidente do CACP e escritor. * Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo assinado por ele.

Autor: Presbitero e Professor Paulo Cristiano.