terça-feira, 6 de dezembro de 2011

QUANDO DEUS PLANTA A SUA COLHEITA É CERTA.

Curarei a sua infidelidade, eu de mim mesmo os amarei, porque a minha ira se apartou deles. Serei para Israel como orvalho, ele florescerá como o lírio e lançará as suas raízes como o cedro do Líbano. Oséias 14:4-5. Como é maravilhoso viver no ponto de vista mais amplo e ouvir o Pai celestial esclarecer o que Ele está realizando nos dias de hoje. Em Seu plano de santificação vemos como Ele deliberadamente segue um padrão. Da mesma forma que o agricultor planta uma semente para que possa ter uma colheita de muitos frutos da mesma espécie, o Pai Eterno também planta Seu precioso Filho para que, no devido tempo, Ele possa trazer muitos filhos à glória. Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles. Hebreus 2:10. Um assunto fascinante, embora raramente detectado, permeia todo o livro de Hebreus. Resumidamente, consiste na história de dois corpos que o Pai preparou para Seu Filho. Como um Agricultor, o Pai plantou Seu Filho Unigênito e espera o crescimento e a colheita de muitos filhos regenerados que um dia chegarão à glória. Deus proferiu Sua mensagem completa e perfeita por meio de Seu único Filho e nas eras vindouras continuará a falar por todo o Universo por meio de Seus filhos coletivos, que estão sendo formados, em união com Seu único Filho. Nós somos os filhos coletivos do Pai, ou seja, a Sua igreja, uma vez que cremos em nossa morte e ressurreição com Cristo. Tudo aquilo que o Pai estabeleceu em Cristo Jesus, Ele quer expressar isso através da Igreja. Efésios 3:10-11. Para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor. A Bíblia fala de dois corpos que nosso Senhor teve e por isso ao entrar neste mundo o Espírito Santo formou um corpo no ventre de Maria. Este corpo natural e individual que Cristo recebeu foi semeado na morte. Entretanto, há outro corpo do qual Paulo fala em Colossenses 1:18 Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia. Irmãos, este é o Corpo coletivo composto por muitos membros, a Igreja. A Palavra de Deus fala muito a respeito do primeiro corpo que o Senhor Jesus sacrificou na cruz para que pudéssemos passar pela experiência de sermos separados para Deus. Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. Hebreus 10:10. Por meio da obra da cruz que Cristo realizou no Calvário somos libertos da centralidade em nós mesmos a fim de que a Cabeça do corpo possa partilhar conosco a consciência do Seu Corpo. Mas para que possamos ser inseridos neste Corpo e termos verdadeiro relacionamento com a Videira verdadeira é necessário termos uma experiência real de regeneração mediante a semente da Palavra de Deus. Pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. 1 Pedro 1:23. Quando olhamos para a Palavra de Deus com bastante atenção, podemos ver o método que Deus usa para nos colocar em Seu Corpo. Consideremos a Semente perfeita, o Senhor Jesus, para quem o Pai preparou um Corpo. Certamente a Semente que o Pai havia plantado era o Seu próprio Filho, pois o Filho é a Palavra e a Semente viva. Este é o sentido da parábola: a semente é a palavra de Deus. Lucas 8:11. Agora o que nos traz grande admiração é saber que esta Semente é plantação do Pai, por isso Ela é divina. Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. 1 João 3:9. Jesus ao ser plantado, conhecia o propósito do Pai. Quando alguns gregos vieram e pediram para ver Jesus, Sua resposta surpreendeu alguns, e muitos não a entenderam o que Ele dizia. Mas hoje podemos entender que aquela semente ou aquele grão de trigo era o que o Pai havia plantado. Se aquela semente não morresse, ficaria ela só, mas graças ao Senhor a semente morreu e por isso produziu muitos frutos, e nós, somos o fruto desta plantação, ou seja, somos produtos do amor de Deus. Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. João 12:24. Quando olhamos mais atentamente para o que Deus está fazendo nos dias de hoje, surpreendemo-nos ao constatar como temos sido lentos em entender as verdades acerca do Corpo que Ele está preparando. No Evangelho segundo Marcos, Jesus mostra claramente o que acontece com a Semente que o Pai plantou na Terra. Da morte surgirá vida de ressurreição. Leiamos Marcos 4:28 A terra por si mesma frutifica: primeiro a erva, depois, a espiga, e, por fim, o grão cheio na espiga. Obviamente esta figura pode ser utilizada para ilustrar o processo de crescimento de cada indivíduo, mas aqui nosso principal interesse é o Corpo coletivo. Vemos a Igreja primitiva como a “erva”. Desde aquele dia quase dois mil anos atrás, quando brotou em novidade de vida, a Igreja cresceu até o estágio de “espiga”, e cremos que irá brevemente amadurecer até tornar-se “o grão cheio na espiga”. A colheita está prestes a acontecer. Parece que ainda há muitos grãos não amadurecidos e despreparados para a foice do Agricultor. E, quando o fruto já está maduro, logo se lhe mete a foice, porque é chegada a ceifa. Marcos 4:29. Queridos ficou muito claro para nós que o Pai planta o Seu Filho e colhe muitos filhos. Creio que é chegado o momento de despertarmos para o propósito divino. Não há outra maneira de explicar a disciplina, cada vez mais intensa, que muitos do povo do Senhor têm experimentado nos dias de hoje. Há muito sofrimento em todos os lugares. Esse sofrimento certamente aumentará até que o Corpo entre em trabalho de parto em âmbito universal. A Igreja deve sofrer dores de parto para trazer à luz um novo dia. Nada nos traz maior consciência de corpo do que sofrimento. Existe algo maravilhoso na empatia que flui por meio do corpo, é quando um membro sofre, todo o corpo sofre, ou pelo menos devem sofrer juntos. Isso é verdade a respeito do corpo natural e também o é com relação à Igreja, Seu Corpo espiritual. De maneira que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam. 1 Coríntios 12:26. Irmãos segundo alguns estudiosos, eles dizem que na época do plantio no oriente é precedida por uma intensa chuva chamada a “primeira chuva”. Essa chuva amacia a terra dura e ressequida preparando-a para a semeadura. O grão brota rapidamente e a planta continua a crescer durante vários meses; depois disso, repentinamente, parece que para de crescer. Maturidade e amadurecimento dependem da “última chuva”. Se a chuva atrasa em demasia, as hastes se tornam amarelas; e a espiga, se chegar a aparecer, tem um aspecto murcho e seco. Não é de admirar que o agricultor espere ansiosamente pela chuva, constantemente olhando para o horizonte distante em busca do primeiro sinal de nuvens que trarão a chuva esperada. Sem dúvida alguma, a “primeira chuva”, em sentido tipológico, foi o derramamento do Espírito Santo no dia de pentecostes. Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra. Oséias 6:3. O povo de Deus tem visivelmente despertado para a sua necessidade de amadurecimento. Um crescente sentimento de pressão, desamparo e fracasso o tem invadido e, em todo mundo, ouve-se o gemido suplicando por chuva para que o grão amadureça. A safra de Deus irá amadurecer, mas a semente individual não alcança maturidade vivendo com a preocupação primordial por seu próprio bem estar e crescimento. O caminho de Deus é exatamente o oposto. Assim como ocorreu na vida do Filho de Deus, será também com cada “grão de trigo” que quiser ser frutífero. Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus. Romanos 7:4. Amém. Comunidade Igreja Batista Palavra da Cruz em Rio Preto. Pastor: Claudio Morandi.