quarta-feira, 15 de junho de 2011

O PERFIL DE UM CRENTE MORNO - IRMÃO CLAUDIO MORANDI.



E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Mateus 24:12.
Você se descreveria como uma pessoa totalmente apaixonada por Jesus Cristo? Ou será que as palavras, “descomprometido”, “morno”, e a expressão, “parcialmente comprometido” são mais adequadas para qualificar sua vida espiritual? Pessoas mornas freqüentam a igreja com regularidade. É isso que se espera delas, pois é o que se acredita ser o comportamento dos “bons cristãos”. Por isso, vão sempre aos cultos. O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu, Isaías 29:13. Em um dia comum, não damos tanta atenção a Deus. Em um dia comum, esquecemos que a nossa vida é, na verdade, como um vapor. Contudo, não há nada de normal no dia de hoje. Comece pensando em todas as coisas que precisam funcionar direitinho apenas para a sua sobrevivência. Por exemplo, seus rins. As únicas pessoas que realmente pensam a respeito dos rins são aquelas que enfrentam problemas renais. A maioria de nós não se preocupa muito com os rins, com o fígado, com os pulmões e outros órgãos internos dos quais dependemos para continuar a viver. E que tal dirigir pela estrada a oitenta quilômetros por hora, passando a poucos metros ou centímetros de distância dos carros que trafegam em direção oposta e na mesma velocidade? Bastaria apenas um movimento errado de braço de um desses motoristas para matar você. Não acho que esse seja um pensamento mórbido, mas uma realidade. É uma loucura pensar que o dia de hoje é um dia normal, no qual podemos fazer o que bem entendermos. Está escrito em Tiago 4:14 Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa.
Quando queremos o Senhor e um monte de outras coisas, isso quer dizer que há espinhos em nosso solo. Um relacionamento com Deus simplesmente não pode se desenvolver quando o dinheiro, o pecado, as atividades, os times pelos quais torcemos, os vícios ou outros compromissos são colocados no topo da lista. A maioria das pessoas tem muita coisa na vida. Muitas das boas coisas da vida acabam sendo tóxicas, provocando uma deformação espiritual em nós. Você consegue distinguir evidências do reino de Deus em sua vida? Ou está sufocando esse reino aos poucos, ao desperdiçar muito tempo, energia, dinheiro e pensamentos em coisas deste mundo? Mas os cuidados do mundo, a fascinação da riqueza e as demais ambições, concorrendo, sufocam a palavra, ficando ela infrutífera. Marcos 4:19.
Pessoas mornas não desejam de fato ser salvas de seu pecado; elas só querem ser salvas do castigo que esse pecado gera. Elas não detestam o pecado de maneira sincera nem se lamentam pelo que cometem. Só lamentam pelo fato de que Deus vai puni-las. Gente morna não acredita muito que essa nova vida que Jesus oferece é melhor que a antiga e pecaminosa. Pessoas mornas raramente compartilham sua fé com os vizinhos, colegas de trabalho ou amigos. Não querem sofrer rejeição nem desejam que as pessoas se sintam constrangidas ao falar sobre questões pessoais, como Evangelho de Cristo. Mas, por favor, atentemos as próprias palavras de nosso Senhor. Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mateus 10:32-33. Pessoas mornas medem seu grau de moralidade ou “bondade” comparando-se com o mundo. Elas se sentem satisfeitas porque, mesmo não sendo tão dedicadas a Jesus quanto são os verdadeiros cristãos, também não é tão mal como aquele sujeito que é um perverso e faz mal a todas as pessoas. Você conhece pessoas assim? O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano. Lucas 18:11. Pessoas mornas dizem amar Jesus; e Ele é, de fato, parte da vida delas. Mas apenas uma parte. Elas entregam a Ele uma fração de seu tempo, de seu dinheiro e de seus pensamentos, mas ele não tem permissão de controlar a vida delas. Pessoas mornas amam a Deus, mas não o fazem de todo o coração, de toda a alma e com todas as forças. Elas garantem que tentam amar o Senhor dessa maneira, mas dizem que esse tipo de devoção total não é possível para as pessoas em geral; é coisa de pastores, missionários e fanáticos. A Bíblia diz em Marcos 12:30 Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. Pessoas mornas pensam na vida terrena com muito mais freqüência do que na eternidade no céu. A vida diária é muito mais focada na lista de afazeres, na agenda semanal e nas férias do mês que vem. De vez em quando, se tanto, elas param para pensar na vida por vir. Se você ler a História, descobrirá que os cristãos que mais fizeram por este mundo presente foram justamente aqueles que pensavam mais no mundo por vir. A partir do momento em que os cristãos pararam de pensar com freqüência no outro mundo, eles se tornaram ineficazes neste. Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas. Filipenses 3:18-19. Pessoas mornas não vivem pela fé; a vida delas é estruturada de maneira que nunca tenham de viver pela fé. Não precisam confiar em Deus se alguma coisa inesperada acontecer; elas têm uma conta na poupança. Não precisam da ajuda de Deus; já fizeram um plano de aposentadoria. Não buscam, com sinceridade, viver da maneira que o Senhor deseja; a vida que levam está toda bem planejada e mapeada. Não dependem de Deus a cada dia; a geladeira está cheia de comida e, de maneira geral, a saúde está boa. A verdade é que a vida dessas pessoas não seria muito diferente se, de uma hora para outra, resolvessem parar de crer em Deus. De alguma maneira, esse tipo de percepção não passa por nossa mente no que diz respeito à vida cristã. Jesus não disse que, se você quisesse segui-lo, poderia fazê-lo de um modo morno. Ele disse em Lucas 9:23 Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Aqui Jesus não está apenas fazendo uma pequena analogia interessante. Ele está falando àqueles que não estão dispostos a entregar tudo, que não serão capazes de segui-lo em qualquer circunstância. Jesus está dizendo que a dedicação morna e sem envolvimento total é inútil; que isso faz nossa alma adoecer. É por isso que tem muitos “crentes” doentes, ou seja, estão cheios de conhecimento bíblico e vazio da vida abundante de Cristo. Esses “crentes mornos” não fazem outra coisa a não ser criticar, são pessoas indiferentes em relação à vida da igreja. O que importa para elas é o seu divertimento, já a igreja pode esperar. Muitos pensam desta maneira: “trabalhei a semana toda e no domingo é o único dia que tenho para dormir até mais tarde”. O crente morno tem sono não só espiritual, mas físico em abundância. Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará. Efésios 5:14. Se essas palavras serviram para você fazer uma avaliação da sua vida à luz das Escrituras, será uma benção! De acordo com meu ponto de vista, um cristão morno é uma contradição. Sendo bem objetivo, o que quero dizer é: as pessoas que freqüentam a igreja, mas são mornas, não podem ser consideradas cristãs. Nós não as veremos quando chegarmos ao céu. O chamado de Deus a um compromisso com Ele é bem claro: Ele quer tudo ou nada. A ideia de uma pessoa se considerar “cristã” sem ser uma seguidora dedicada de Cristo é absurda. Mas há uma solução para o morno, ou para o falso cristão. É preciso crer como uma experiência real que morreu e ressuscitou com Cristo, assim estará livre da sua mornidão, da sua miséria, da sua nudez, da sua cegueira. Peça ao Senhor revelação dEle mesmo para a sua vida. O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele. Efésios 1:17. Amém.
DEUS TE ABENÇOE ABUNDANTEMENTE EM CRISTO JESUS.

ACEITOS NO AMADO - IRMÃO HUMBERTO XAVIER RODRIGUES.



Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado. Efésios 1:6.

Este versículo está inserido no contexto de uma das grandes revelações dada pelo Espírito Santo ao apóstolo Paulo, evidenciando com inconfundível clareza as riquezas e imensuráveis bênçãos doadas ao povo de Deus. Cristo é o fundamento sobre o qual todas essas bênçãos estão assentes e, delas gozamos porque Nele estamos.

No Amado fomos feitos o objeto presente e atual do favor de Deus Pai, como o próprio Cristo é o objeto do Seu amor. Ou seja, Deus Pai nos deu o Seu Filho. O Seu filho, Cristo, deu a Sua vida por nós, nos resgatando e nos vivificando para que pudéssemos ser apresentados diante de Deus, Seu Pai, aceitáveis segundo a aceitação da Sua própria pessoa, pelo fato de termos sido inseridos e harmonizados Nele, em Sua completa obra redentora.

Portanto, o segredo de toda benção está no fato de ter Cristo satisfeito todas as exigências do Pai. Por isso, Cristo é amado pelo Pai e, os que creem, são vistos como agradáveis, por estarem Nele. As bênçãos são concedidas nos lugares celestiais, da maneira mais excelente, não deixando lugar para nenhuma comparação.

São bênçãos concedidas em Cristo: Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo Efésios 1:3. Fomos abençoados com todas as bênçãos espirituais. Nem uma sequer faltou, e são todas da mais elevada ordem. Não são bênçãos transitórias, são bênçãos eternas.

Tudo isto se originou no coração do próprio Deus. Antes que o mundo existisse, nós tínhamos esse lugar reservado no Seu coração. Ele nos deu esse lugar em Cristo - elegeu-nos e nos predestinou Nele. E assim, fomos constituídos objetos do favor de Deus, em harmonia com o Seu soberano amor, quando, em nós, nada havia que podia agradá-Lo, isto porque, a graça de Deus dispensa qualquer pretenso “favor” humano.

Se quisermos medir esse amor, é por Cristo e em Cristo que devemos experimentar fazê-lo. Porque somente em Cristo temos a medida daquilo que não se pode medir, isto é, as insondáveis riquezas reveladas Nele. O coração de Deus encontra em Seu Filho as Suas delícias: E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo. Lucas 3:22.

O Céu está aberto a Jesus; toda a afeição do Céu se concentra agora sobre Ele e sobre todos aqueles que estão Nele, e assim é a privilegiada posição do homem diante de Deus. Jesus nos coloca nessa posição como sendo Ele mesmo a nossa medida de perfeição.

O Céu se abre! Observe que não é o Céu abrindo-se para procurar alguém que estava afastado de Deus, mas é a graça e a perfeição de Jesus que faz o Céu abrir. Jesus abriu os céus para nos levar pra lá. Note-se também que, a presença de Jesus estabeleceu o princípio de reconciliação entre o Céu e a terra.

Agora o Céu está aberto ao homem, em Jesus Cristo. Assim, Deus estabeleceu a nossa reconciliação “nos escolhendo, nos predestinando para filhos de adoção e nos tornando agradáveis no Amado”, com o propósito de nos ter perante Ele. Este é um dos princípios fundamentais da graça de Deus.

Fomos introduzidos neste mundo pela criação de Adão. O desenvolvimento de todos os caracteres desta criação teve lugar até a cruz. Entretanto, o nosso lugar em Cristo nos foi dado antes do mundo existir.

O homem esteve primeiramente em inocência; depois pecador sem lei; depois pecador sob a lei; e, quando reconhecido culpado de todas as maneiras, a graça – o próprio Deus - vem em bondade ao mundo dos pecadores, e não encontra senão ódio para o Seu amor.

A suprema demonstração do amor de Deus é vista na morte de Cristo pelos ímpios: Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Romanos 5:6. Seu amor é ao mesmo tempo original e imerecido, posto que estendido a todos nós – pela morte de Cristo em nosso favor – enquanto estávamos incapacitados e paralisados pela culpa do pecado.

Desta forma, o caráter incrível do amor de Deus está no fato de que ele foi exercido em favor daqueles cuja condição natural era absolutamente repugnante diante de Sua santidade.

O mundo está julgado e os homens estão perdidos: esta é a verdade que todos, individualmente, têm que ter conhecimento. Mas, a redenção foi consumada, o desígnio de Deus foi cumprido, e o Seu plano objetivando a nova criação em Cristo, foi executado. O “mistério que esteve oculto desde todos os séculos foi manifestado”.

Deus nos fez agradáveis a Si, no Amado, esse é o fundamento do nosso descanso. Em virtude da união vital com Cristo, o nascido de novo possui a posição inalienável de ser um homem que está perante Deus, numa posição de santo e irrepreensível.

Uma união com Cristo que resultou da nossa morte e ressurreição. Incluídos Nele, estamos identificados na semelhança da Sua morte e, consequentemente, identificados na Sua ressurreição: Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição. Romanos 6:5.

Identificados Nele, somos o que Ele é: Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. I Pedro 1:16. Deus nos escolheu em Cristo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis perante Ele em amor. Ele mesmo é Santo em Sua natureza, irreprovável em todos os Seus caminhos.

Sendo assim, isto nos fala de uma posição de perfeita felicidade - estar na presença de Deus, posição esta conquistada por Cristo. Cristo é o objeto e a perfeita medida da afeição divina. Assim, Deus encontra em nós as Suas delicias, por estarmos em Cristo.

Quanto ao crente, ele é possuidor de uma natureza semelhante à de Cristo quanto às Suas qualidades morais, por isso, somos capazes de gozar plenamente dessa perfeita comunhão e harmonia, na Sua presença: Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor. Efésios 1:4.

Além disso, foi a Sua própria escolha, a Sua própria afeição que nos colocaram ali - em Cristo - nos tornando assim as Suas eternas delícias. Deste modo, o nosso coração encontra o seu descanso nesta posição, porque há acordo entre a nossa natureza e a de Deus.

A nossa posição está em harmonia com a natureza de Deus. A escolha que Deus fez para que ocupássemos este lugar, mostra a afeição pessoal que Ele tem por nós. Escolha esta como fruto da Sua graça infinita.

Deus nosso Pai, na Sua bondade eterna e soberana, em conformidade com os Seus planos de amor, nos quer diante de Si. Esse desígnio, que nos liga a Cristo em graça, é enfaticamente revelado nestas palavras: Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça. Efésios 1:7.

É em Cristo que vemos a nossa posição segundo os propósitos de Deus. É Nele também que encontramos a redenção. Deus se moveu em nosso favor, agindo em harmonia segundo as riquezas da Sua graça.

Por esta razão, vemos um povo, uma família celestial, criada segundo os desígnios e os planos de Deus, que existe como fruto dos eternos pensamentos de Deus e da Sua natureza de amor – o que aqui é chamado: “as riquezas da Sua graça”. Deus glorifica-Se a Si mesmo quando Se revela.

Tudo isto, pois, é para louvor da glória da Sua graça, segundo a qual Ele atua para nós em Cristo, e Cristo é a medida desta graça. Toda a plenitude desta graça é revelada nos caminhos de Deus para nós, e dela temos a plenitude.

O que Deus fez pelos pobres pecadores é segundo as riquezas da Sua graça. Ele é rico em graça. Assim, a nossa posição é feita e estabelecida segundo os planos de Deus e, pela eficácia da Sua obra em Cristo. Deus, nosso Pai, nos deu o privilégio de gozarmos de todas as bênçãos nos lugares celestiais, em Cristo Jesus.

O Senhor Jesus é o objeto de toda a afeição de Seu Pai, e por Ele os afetos do Pai são nossos. Que posição para pobres criaturas como nós! Que descanso é para aquele a quem foi dada esta revelação: que em Cristo, se tornou aceito incondicionalmente diante de Deus!

Que graça! Deus nos fez agradáveis a si no Amado! Que Deus abra os nossos olhos para vermos a posição que ocupamos em Cristo, diante Dele!