terça-feira, 8 de março de 2011

A CEGUEIRA MUNDIAL - MARCOS ANTONIO BIAZOLI.



Evangelho de João 9.25(b) = eu era cego e agora vejo.
Apocalipse 3.17(b) = e nem sabes tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu.
Hoje em dia, quantos homens, mulheres, idosos (as), crianças, adolescentes, presidentes, senadores, deputados, prefeitos, reverendos, juízes, policiais, pastores, bispos, reverendos, apóstolos, presbíteros, diáconos, professores de escola dominical, padres, coroinhas, estão nesta condição.
Condições de estado de cegueira não estão enxergando, não é que estão com miopia ou catarata ( doenças que atacam os olhos); quero dizer que estão cegos de fato, dos tais que mencionei logo acima, há varias classes, todos sem exceção, cegos, todos querem e brigam por interesses, uns politicamente, outros de cargos, são pessoas que estão em um grau de posição elevadas, mas que nunca se bastam; mas que estão de olhos bem abertos, sim, bem abertos, para seus próprios interesses, sejam eles financeiramente, principalmente, de interesses de posição de cargos elevados, entre outros.
Deus declara em sua palavra, que os homens e mulheres deste século, falta-lhes conhecimento, vejamos no livro de Oséias 4.6, uma repreensão do senhor dos exércitos:
O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esquecestes da lei do teu deus, também eu me esquecerei de teus filhos.
Sem conhecimento, sabedoria que vem do céu, das mãos de aba pai, nós estamos em uma situação diante de deus, muito incomoda, pois ele, não suporta o pecado, ele não suporta a iniqüidade do seu povo, por isso, ele declarou em Oséias estás palavras, e ele falando, não sou eu, não, e ele falando abertamente aos nossos ouvidos, se eu e você não chegarmos diante dele, de coração nus e nos inclinarmos diante dele, e pedir a ele: senhor, tem misericórdia de mim, eu sou um pecador por excelência, leva-me a cruz de cristo, pois só nele, em cristo e na sua obra por mim na cruz, serei salvo, obra essa perfeita, em nos levar a sermos atraídos em seu corpo na cruz, em nos fazer mortos na cruz com ele, e nos fazer ressuscitar com ele, e nos acender ao céus com ele, isso sim e o mais importante de todas as coisas que alguém poderia fazer por alguém que não merecia nada, sim, merecíamos sim, o inferno, pois éramos desobedientes antes, pois a sua vontade o seu querer , está dentro de nós daqui por diante, hoje os nossos olhos foram abertos para a realidade espiritual do nosso novo nascimento por meio de cristo.
Mas, deus declara abertamente no texto de apocalipse que está logo acima, são pessoas infelizes (não celebram a alegria), miseráveis, pobres espiritual -mentes (tudo o que vêm, e sempre em oposição) cegos espirituais, não contemplam a cruz de cristo e seu sacrifício por este cego, são nus, nus sem a vida de cristo.
E lamentável, mas é a realidade em que nos estamos vivendo neste século; denominações com um guia ( pastor, padre etc.), sem visão celestial, denominações abarrotadas de pessoas, mas são e estão cegos espiritualmente, como Jesus disse: são cegos guiando cegos, todos cairão no precipício, que é o inferno, Mateus 15.14.
O mesmo ocorre no meio político, no meio judiciário, legislativo e executivo; fazem leis visando os seus interesses, visando livrar-se de certos erros que ocorrerá e depois de vir a tona eles se safam, pois eles próprios que fizeram tal lei para não terem que pagar atrás das grades.
Mas, aba pai, diz que devemos orar por estes homens e mulheres, desonestos, vejamos na palavra de deus em 1 Timóteo 2. 1-4 = antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridades, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito; isto é bom e aceitável diante de deus, nosso salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos, e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.
Aba pai, deseja em nós, legítimos filhos, redimidos no sangue de cristo na cruz, fazendo que os nossos olhos carnais fossem mortos juntamente com cristo na cruz, como as escamas da incredulidade de Paulo, meu e
Seu, fossem crucificadas em cristo; e daí, vem a visão celestial, de contemplarmos a Jesus, é este crucificado para mim e para você, e ser obediente a Jesus e dizer a aba pai, eis-me aqui, cumpra-se em mim, conforme a tua vontade.
Hoje, eu e você, nos deleitamos e nos regozijamos na vontade de aba pai, em todas as coisas que ele quer que façamos, pois o eu, foi, com ele crucificado, que ele cresça e que eu seja um 0 a esquerda.
Graças a deus, que um dia, eu era cego, e hoje vejo, vejo o que?
As coisas espirituais onde o meu amado de minha alma, o meu noivo, se deleita em mim, pois ele me comprou para si mesmo, preço que nenhuma bolsa de valores pode avaliar, preço de sangue, sangue de Jesus cristo, vertido todo em prol daquele que vir a crer no sacrifício dele, por você.
Referindo-me de novo sobre a vida de Saulo, depois mudado por Paulo, pois deus não faz remendo, e sim da novo, vida nova e novo nome, novo homem e mulher.
Saulo de tarso, era um homem com um perfil exemplar aos olhos humanos, terrenos, um homem religiossisimo, que fazia de tudo, contra a graça de deus em favor dos santos maltrapilhos na terra, Saulo consentia sobre a morte de Estevão, Estevão contemplou a visão celestial quando os religiosos da época, por mandado de Saulo, estavam apedrejando este maltrapilho, e Estevão, cheio do espírito santo de deus, em seu ultimo suspiro disse: senhor, não lhes impute este pecado.
Nos, cristãos, devemos implorar à deus, visão de reino dos céus, irmãos(as), sem a visão celestial do reino de aba pai, e pura religiosidade.
Quantos homens de deus tiveram visão do reino de deus?
No qual, estamos referindo à Saulo (Paulo), a de Abrão (genesis15,1), de balaão (numeros 24.4), de Samuel (1 Samuel 3.15, de Natã (2 Samuel 7.17), de Isaías (1.1) e de outros muitos outros profetas, apóstolos e discípulos de cristo.
Que este estudo da palavra de deus, lhe possa abrir os teus olhos para o reino de deus, não para a religiosidade, para a placa da denominação, não para cargo, não para ser lisonjeado, mas sim, glorificar a deus, ao filho bendito de deus, Jesus cristo, e glorificar ao espírito santo de deus, nesta peregrinação aqui na terra; deus lhes abençoem ricamente, a você e a todos os seus familiares.
Marcos Antonio biazoli; um redimido na cruz de cristo, na qual eu estou crucificado para mim mesmo e para o mundo.

A NATUREZA CEGA E ENGANOSA DO PECADO - JONATHAN EDWARDS.


O coração humano é cheio de pecado e corrupção; e a corrupção tem um efeito espiritual de cegueira. O pecado sempre carrega um grau de obscuridade. Quanto mais ele prevalece, mais ele obscurece e ilude a mente. Ele nos cega para a realidade que está no nosso próprio coração. Assim, o problema não é, em absoluto, a falta da luz da verdade de Deus. A luz brilha suficientemente ao nosso redor, mas a falha está nos nossos olhos; estão obscurecidos e cegos pela incapacidade mortal que resulta do pecado.

O pecado engana facilmente porque controla a vontade humana, e isso altera o julgamento. Quando a concupiscência prevalece, predispõe a mente para aprová-la. Quando o pecado influencia nossas preferências, ele parece agradável e bom. A mente é naturalmente predisposta a pensar que tudo o que é agradável é correto. Portanto, quando um desejo pecaminoso vence a vontade, também lesa o entendimento. Quanto mais a pessoa anda no pecado, provavelmente, mais a sua mente será obscurecida e cega. Assim é que o pecado assume o controle das pessoas.Portanto, quando elas não estão conscientes do seu pecado, fica extremamente difícil fazê-las enxergar o erro. Afinal de contas, o mesmo desejo maligno que as levou ao pecado, as cegará. Quanto mais uma pessoa raivosa consente com a malícia ou com a inveja, mais esses pecados cegarão seu entendimento para que ela os aprove. Quanto mais um homem odeia o seu vizinho, mais ele tende a pensar que tem uma boa causa para odiar, e que aquele vizinho é digno de ódio, que merece ser odiado, e que não é seu dever amá-lo. Quanto mais prevalece os desejos de um homem impuro, mais doce e agradável o pecado lhe parecerá, e mais ele tenderá a pensar que não há mal nisso.

Semelhantemente, quanto mais uma pessoa deseja coisas materiais, provavelmente mais pensa que é desculpável por agir assim. Dirá a si mesmo que precisa de certas coisas, e que não pode viver sem elas. Se são necessárias, raciocina ele, não é pecado desejá-las. E as concupiscências do coração podem assim ser justificadas. Quanto mais prevalecem, mais cegam a mente e influenciam o julgamento que as aprova. Por isso, a Bíblia denomina os apetites mundanos de "as concupiscências do engano" (Ef 4.22). Até pessoas piedosas podem por um tempo permanecer cegas e iludidas pela concupiscência, e assim viverem de uma maneira que desagrada a Deus.

A concupiscência também incita a mente carnal a inventar desculpas para as práticas do pecado. A natureza humana é muito sutil quanto se trata de racionalizar o pecado. Alguns são tão devotados às suas maldades que quando a consciência os importuna, torturam a mente a fim de encontrar argumentos que façam com que ela se cale e que os convençam de que procederam licitamente quando pecaram.

O amor a si mesmo também predispõe as pessoas a desculparem o seu pecado. Elas não gostam de se condenar. São naturalmente preconceituosas em seu próprio favor. Procuram bons nomes para denominar suas tendências pecaminosas. Elas as transformam em virtudes — ou no mínimo em tendências inocentes. Rotulam a avareza de "prudência", ou então chamam a ganância de "negócio inteligente". Quando se alegram com as calamidades do próximo, fingem que é porque esperam que isso trará algum bem à pessoa. Se bebem muito, é porque sua constituição física o exige. Se caluniam, ou falam do vizinho, afirmam ser zelosos quanto ao pecado. Se entram numa discussão, dizem ter uma consciência obstinada e consideram sua discórdia mesquinha uma questão de princípios. E assim, encontram bons nomes para todas as formas de mal.

As pessoas têm a tendência de adaptar os seus princípios à sua prática, e não o contrário. Além de permitir que seu comportamento se conforme com a consciência, despenderão uma energia tremenda tentando fazer com que sua consciência se adapte ao seu comportamento.

Como o pecado é tão enganoso, e como temos muito pecado no coração, é difícil julgar nossos próprios caminhos com justiça. Por causa disso, deveríamos fazer um auto-exame diligente e nos preocupar em descobrir se há em nós algum caminho mau. "Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado" (Hb 3.12,13).

As pessoas vêem mais facilmente os erros dos outros do que os seus. Quando vêem os outros errarem, imediatamente os condenam — até mesmo enquanto se desculpam pelos mesmos pecados! (cf. Rm 2.1). Todos vemos um argueiro nos olhos dos outros e não a trave nos nossos olhos. "Todo caminho do homem é reto aos próprios olhos" (Pv 21.2). "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?" (Jr 17. 9). Não podemos confiar em nosso coração nesta questão. Em vez disso, devemos nos vigiar, interrogar nosso coração cuida¬dosamente, e pedir a Deus que nos sonde completamente. "O que confia no seu próprio coração é insensato" (Pv 28.26).