segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

UMA EXORTAÇÃO PARA 2011 - PASTOR CLAUDIO A MORANDI.


Não há remédio para a tua ferida; a tua chaga é incurável; todos os que ouvirem a tua fama baterão palmas sobre ti; porque sobre quem não passou continuamente a tua maldade? Naum 3:19.
Não podemos tratar de um problema antes de diagnosticá-lo. A prevenção é o melhor caminho para uma vida saudável. Mas é preciso dizer que uma doença grave está atingindo as entranhas da igreja em nosso país. Essa doença está sendo causada por intoxicação alimentar. O pão nutritivo da verdade está sendo sonegado ao povo, e em lugar da Palavra de Deus, as pessoas estão comendo o refugo de doutrinas engendradas pelo enganoso coração humano. A igreja está perdendo sua identidade, porque o lucro e não o Evangelho é o vetor desse povo. A riqueza material e não a salvação é a mensagem dessa igreja. O sucesso e não a transformação de vidas é o alvo dos nossos pregadores atualmente. Hoje os grandes líderes estão aplaudindo a si mesmos e cantando “quão grande és tu” diante do espelho. Porque não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns que se louvam a si mesmos; mas eles, medindo-se consigo mesmos e comparando-se consigo mesmos, revelam insensatez. 2 Coríntios 10:12.
Irmãos, o pão é uma necessidade básica e indispensável para a nossa sobrevivência. Sem ele, o desespero e a morte reinam. Nos dias do profeta Eliseu, houve uma grande fome na terra. O povo andava inquieto. As pessoas, desesperadas, procuravam pão, mas não havia pão. O juízo de Deus castigava a terra. A seca, a pobreza e a fome assolavam o povo de Israel. Os famintos estavam dispostos a comer qualquer coisa que lhes acalmasse o estômago fuzilado pela fome. Naquela época, chegou-se a vender uma cabeça de jumento por oitenta ciclos de prata. Leiamos 2 Reis 6:25 Houve grande fome em Samaria; eis que a sitiaram, a ponto de se vender a cabeça de um jumento por oitenta siclos de prata e um pouco de esterco de pombas por cinco siclos de prata. Foi nesse tempo que Eliseu estava palestrando na escola de profetas para os discípulos dos profetas. Embora houvesse escassez de pão na terra, havia fartura do pão do céu. Eliseu era um homem cheio do Espírito de Deus e estava investindo sua vida no treinamento de outros obreiros que pudessem ensinar com fidelidade a Palavra de Deus. Por causa da fome que castigava a todos, Eliseu mandou seus discípulos fazer um cozinhado. Mas o homem que saiu ao campo a procurar ervas trouxe veneno, em vez de alimento. E quando todos já estavam se fartando do repasto, soou o grito: Morte na panela, ó homem de Deus! E não puderam comer. 2 Reis 4:40b.

O veneno mata mais do que a fome. O veneno é mais perigoso do que a inanição. As colocíntidas não eram alimento, mas veneno. Eram instrumentos de morte e não de vida. De forma semelhante, a morte espiritual principia no cardápio espiritual. Muitas pessoas morrem porque estão ingerindo veneno, em vez de uma saudável refeição. Há morte na panela! A causa da morte na panela é que eles estavam comendo algo do qual não conheciam. Então, saiu um ao campo a apanhar ervas e achou uma trepadeira silvestre; e, colhendo dela, encheu a sua capa de colocíntidas; voltou e cortou-as em pedaços, pondo-os na panela, visto que não as conheciam. 2 Reis 4:39.
O nosso Senhor Jesus Cristo nos alertou para o fato de que se levantariam falsos mestres, falsos cristos e falsas doutrinas. Estamos vivendo esse tempo da proliferação espantosa de novas doutrinas, novas crenças, em que cada um pode abraçar a fé de acordo com sua conveniência. As igrejas estão se transformando em supermercados espirituais, onde o freguês é quem determina o produto que ali é consumido. O mercantilismo religioso presente hoje dentro de algumas igrejas chamadas evangélicas sobrepõe-se às indulgencias da Idade Média. O mercadejamento da Palavra de Deus é vergonhoso em nossos dias. Líderes religiosos sem escrúpulos criam igrejas para o seu enriquecimento. Líderes espirituais sem temor a Deus transformam a igreja numa empresa familiar, o púlpito num balcão, o Evangelho num produto lucrativo, o templo numa praça de barganha, e os crentes em consumidores. Contra as autoridades e os líderes, ele fará esta acusação: “Foram vocês que acabaram com Israel, a minha plantação de uvas! As suas casas estão cheias das coisas que vocês roubaram dos pobres! Isaías 3:14(LH). Os escândalos se multiplicam em nosso país e ao redor do mundo, promovidos pelos camelôs de luxo da religião do lucro, que acumulam fortunas e formam verdadeiros impérios econômicos pela exploração da fé. Esses líderes, mais amantes do poder e do dinheiro do que de Deus, pregam falsas doutrinas, vendem falsas promessas e enganam os incautos com um falso evangelho. Eles dão palha, em vez de pão ao povo. Na verdade, há muitos que estão se alimentando de veneno e não de pão. Correm atrás de ilusões e não da Verdade. Buscam respostas para seus dramas em pretensos homens inspirados, em vez de buscarem a eterna e infalível Palavra de Deus, que tem poder absoluto para curá-los do veneno mortal do pecado. Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou, e os livrou do que lhes era mortal. Salmos 107:20.

Hoje a carência da pregação da mensagem da cruz é muito grande. Não se prega mais contra o pecado, não se prega mais o novo nascimento, a cruz, a morte e a ressurreição de Cristo. Infelizmente o que vemos são os gurus espirituais nos redutos chamados evangélicos. Pessoas desprovidas de entendimento espiritual, analfabetas das Escrituras, oferecem aos famintos a palha de seus sonhos, visões e revelações. Por falta de conhecimento o povo perece; por falta de pão, os famintos se empanturram de farelo. A igreja hoje cresce em números, mas decresce em credibilidade. Ela tem extensão, mas não profundidade. Ela tem influência política, mas não poder espiritual. Ela tem carisma, mas não caráter. Ela tem muita adesão, mas pouca conversão. Elas se tornam evangélicas, mas não nascem de novo. O caráter não é transformado e elas não se tornam novas criaturas. Mas aquele que passou pela cruz, já morreu com Cristo e está em Cristo, por isso é uma nova criatura. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 2 Coríntios 5:17. Temos muitas pessoas que professam o cristianismo, mas a vida não muda a família não muda a conduta não muda. São pessoas que estão construindo sobre a areia. Isso porque o Evangelho não está mais presente nos púlpitos como a verdade absoluta. Os pregadores estão falando mais de auto-ajuda do que da ajuda do alto. Estão pregando mais sobre o que o homem pode alcançar do que sobre a gloriosa obra da graça de Deus em favor do homem. Na verdade, os pregadores estão atrás de aplausos e riquezas, em vez de buscarem a glória de Deus e a salvação dos perdidos. Vejamos a advertência do apóstolo Pedro. Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. 2 Pedro 2:1. A igreja está sendo mais conhecida na mídia pelos seus escândalos do que pela sua piedade. Em recente pesquisa em nosso país, foi constatado que as três classes mais desacreditadas da nação são os políticos, os policiais e os pastores. A glória de Deus ausentou-se das igrejas que trocaram sua bendita Palavra por outro evangelho. No lugar da glória de Deus, os homens fabricaram um brilho plástico que tem cor, mas não calor. No lugar do fogo de Deus que inflama os corações a serem santos, os homens acenderam um fogo estranho. Esse fogo fátuo tem aparência de fogo, mas não é fogo. Tem aparência de fogo, mas não inflama os corações de zelo por Deus. Precisamos é do fogo da Palavra de Deus. Não é a minha palavra fogo, diz o SENHOR, e martelo que esmiúça a penha? Jeremias 23:29. Amém.