terça-feira, 29 de novembro de 2011

JESUS CRISTO NOSSA SUFICIENCIA.

E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo. Atos 5:42. A partir do momento em que a alma é levada a perceber a realidade de sua condição diante de Deus, à profundidade de sua ruína, culpa e miséria, não poderá haver descanso até que o Espírito Santo revele ao coração O Cristo pleno e todo suficiente. Esta é a única solução possível, e o remédio perfeito de Deus para a nossa completa pobreza. Trata-se de uma verdade muito simples, mas da maior importância; e podemos dizer com toda a segurança, que quanto mais completa e profundamente aprendermos isto melhor será. Com a entrada do pecado no mundo o homem ficou numa condição irremediável, arruinada e sem esperanças, por isso é necessário ser regenerado e encontrar O Cristo todo suficiente como a provisão de Deus para a nossa mais profunda necessidade. Isto é verdadeiramente descanso, um descanso que nunca pode ser perturbado. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso. Salmos 23:2. Por sua preciosa morte expiatória Ele supriu plenamente tudo o que tinha que ver com nossa condição de pecadores. Ele carregou os nossos pecados, e os levou de todo e para sempre. Ele levou a culpa por todos os nossos pecados; os pecados de todos os que crêem em seu nome. João 5:24 Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. O Senhor carregou nEle todas as nossas iniqüidades. Foi Ele mesmo quem o fez. Esta é a essência e a medula de todo o assunto. Deus pôs os nossos pecados sobre Jesus, e Ele nos diz isto em sua Santa Palavra, a fim de que possamos saber sobre a base da autoridade divina; uma autoridade que não pode mentir. Deus planejou assim, Deus fez assim; e assim Deus diz. Tudo vem de Deus, do principio ao fim, e nós tão somente temos que descansar nisso como meninos. Como sei que Jesus levou os meus pecados em seu próprio corpo sobre o madeiro? Pela mesma autoridade que me diz que eu tinha pecados e que deveriam ser levados. Deus, em seu maravilhoso e inigualável amor, assegura-me, um pobre e culpado pecador, merecedor do inferno, que Ele mesmo cuidou de todo o assunto dos meus pecados, e se livrou deles de um modo tal que veio trazer uma rica colheita de glória para o Seu eterno Nome, por todo o universo, na presença de toda inteligência criada. Colossenses 2:15 E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. E nisto, a fé viva deve tranqüilizar a consciência. Se Deus se satisfez a Si mesmo com a solução para os meus pecados, eu devo ficar igualmente satisfeito. Sei que nasci pecador, pode ser inclusive que seja o maior dos pecadores. Sei que os meus pecados são maiores em número que os cabelos da minha cabeça; que são negros como a meia-noite; negros como o próprio inferno. Sei que qualquer desses pecados, o menor deles, merece as chamas eternas do inferno. Sei porque a Palavra de Deus o diz e que uma simples partícula de pecado não pode jamais entrar em sua Santa presença; e que, por esta razão, não havia para mim outro destino a não ser a eterna separação de Deus. Tudo isso sei, sobre a base da clara e indisputável autoridade daquela Palavra que está para sempre firmada nos céus. Mas, quando vejo o profundo mistério da cruz, o glorioso mistério do amor redentor! Vejo o próprio Deus levando todos os meus pecados; pecados da pior espécie, da maneira como Ele os viu e os avaliou. Vemos pela Palavra, Deus colocando todos nossos pecados sobre o nosso bendito Substituto, e tratando com Jesus ali na cruz. Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus. 2 Coríntios 5:21. Bendito seja o Deus de toda graça, porque não é só a remissão dos pecados que nos anuncia por meio da morte expiatória de Cristo. A nova criatura tem o privilégio de considerar-se a si mesmo morto para o pecado. Aqui está o precioso segredo de uma vida santa. Estamos mortos para o pecado; vivos para Deus. O reino do pecado terminou. O que o pecado tem que ver com um homem morto? Nada. Bem, então, o velho Adão morreu com Cristo; está sepultado com Cristo; está ressuscitado com Cristo para andar em novidade de vida. Ele vive sob o precioso reino da graça, e tem como fruto a santificação. Romanos 6:22 Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna. Considerando que nossa condição é imperfeita e que o nosso andar é imperfeito; considerando também que a nossa comunhão é suscetível de ser interrompida, é por esta razão que necessitamos do atual ofício de Cristo por nós. Jesus vive à mão direita de Deus por nós. A sua ativa intervenção a nosso favor não cessa nem por um momento. Ele atravessou os céus em virtude da expiação consumada, e ali exerce continuamente a sua perfeita intercessão por nós diante de Deus. Ele está ali como a nossa justiça permanente, a fim de nos manter sempre em divina integridade da posição e da relação para a qual a sua morte expiatória nos introduziu. Por isso lemos em Romanos 5:10 Porque, se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. Quão precioso é tudo isto para o cristão sincero, que está sempre consciente de sua fraqueza, necessidade e fracasso! Como é possível que alguém que está morto com Cristo e vive para glória de Deus possa pôr em dúvida a necessidade de um ininterrupto ministério de Cristo em seu favor? A favor de quem Cristo está vivendo e intercedendo agora à mão direita de Deus? Será a favor do mundo? Certamente que não; pois ele diz, em João 17:9 É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. Que firme consolo existe aqui para o povo de Deus! E quão necessário para as nossas almas é estar fundamentados no conhecimento e compreensão disso! Há alguns que possuem uma compreensão imperfeita da verdadeira posição de um cristão, por não compreender o que Cristo fez por eles no passado; outros, ao contrário, têm uma visão tão unilateral da condição do cristão que não percebem a nossa necessidade do que Cristo está fazendo agora por nós. Hebreus 7:25 Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles. Trata-se de algo maravilhosamente bendito poder dizer: “Encontrei a Alguém que satisfaz plenamente o meu coração, encontrei a Cristo”. É isto o que nos põe verdadeiramente no verdadeiro descanso. Torna-nos completamente independente dos recursos aos quais o coração inconverso sempre se apega. O pobre amante do mundo pode pensar que a vida do cristão é muito estática, insípida, chegando inclusive a ser uma ocupação idiota. Talvez ele fique espantado de ver como alguém pode viver sem aquilo que ele chama “diversão”. Privar o inconverso daquilo seria quase o mesmo que levá-lo ao desespero ou à loucura; mas o cristão não deseja tais coisas, ele não as praticaria. Elas são inclusive um aborrecimento para ele. Jamais podemos ser amigos do mundo. Por que? Veja a resposta em Tiago 4:4 Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Cristo é tudo o que necessitamos, mais do que tudo nEle encontramos. Não há, nem pode existir, nenhuma falta no Cristo de Deus. A sua expiação e a sua intercessão devem satisfazer todos os desejos da consciência mais profundamente exercitada. As glórias morais a poderosa atração de sua divina Pessoa, devem satisfazer as mais intensas aspirações e desejos do coração. E sua inigualável revelação, esse volume sem preço, contém, entre as suas etapas tudo o que possamos necessitar, do principio ao fim, em nossa carreira cristã. Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação. 2 Coríntios 5:18. Amém.Pr Claudio Morandi.

Nenhum comentário: