domingo, 5 de junho de 2011

REBECA, FIGURA DA IGREJA - IRMÃO CHARLES HENRY MACHINTOSH.



- Gênesis 24

O Servo (imagem do Espírito Santo) Busca uma Esposa para Isaque

A ligação deste capítulo com os dois que o precedem é digna de nota. No capítulo 22 Isaque é oferecido; no capítulo 23 Sara é posta ao lado; e no capítulo 24 o servo é enviado em procura de uma noiva para aquele que foi, com efeito, em figura, recobrado dos mortos. Esta ligação coincide de uma maneira notável com a ordem dos acontecimentos referentes à chamada da Igreja. A questão de esta coincidência ser de origem divina pode talvez levantar-se na mente de alguns; mas deve, pelo menos, ser considerada como digna de observação

O Chamado da Igreja

Quando nos voltamos para o Novo Testamento, os grandes acontecimentos que chamam a nossa atenção são em primeiro lugar, a rejeição e morte de Cristo; em segundo lugar, Israel é posto de parte; e, por último, dá-se a chamada da Igreja para ocupar a elevada posição de noiva do Cordeiro

Ora tudo isto corresponde exatamente com este e os dois capítulos precedentes. A morte de Cristo necessitava ser um fato consumado, antes que a Igreja, propriamente dita, pudesse ser chamada. “A parede de separação” que estava no meio tinha que ser derrubada (Ef 2.14) antes que “o novo homem” pudesse ser criado. É bom compreendermos isto para podermos conhecer o lugar que a Igreja ocupa nos caminhos de Deus. Enquanto a dispensação judaica durasse havia a mais estrita separação entre judeus e gentios, e por isso a idéia de ambos serem unidos num novo homem estava longe da idéia de um judeu. Os judeus consideravam-se a si próprios numa posição de inteira superioridade à que tinham os gentios, e consideravam-nos completamente impuros, e com os quais não era lícito juntarem-se (At 10.28)

Se Israel tivesse andado com Deus segundo a verdade do parentesco para o qual Ele graciosamente os havia trazido, teriam continuado no seu lugar peculiar de separação e superioridade; mas eles não fizeram isto; e, portanto, quando tinham enchido a medida da sua iniqüidade, crucificando o Senhor da vida e glória, e rejeitando o testemunho do Espírito Santo, vemos como Paulo foi levantado para ser ministro de uma nova coisa, a qual era retida nos desígnios de Deus, ao mesmo tempo que o testemunho a Israel continuava. “Por esta causa, eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios; se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada: como me foi este mistério manifestado..., o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (profetas do Novo Testamento); “a saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” (Ef 3.1-6). Isto é conclusivo. O mistério da Igreja, composta de judeus e gentios, batizada pelo Espírito para um corpo, unida à Cabeça gloriosa no céu, nunca havia sido revelado até aos dias de Paulo. O apóstolo continua a dizer acerca deste mistério, “do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder” (versículo 7). Os apóstolos e profetas do Novo Testamento formaram, com efeito, o primeiro lanço deste edifício glorioso (vede Ef 2.20). Sendo isto assim, segue-se, como conseqüência, que o edifício não podia ter sido começado antes. Se o edifício tivesse existido desde os dias de Abel, o apóstolo teria dito “revelado aos santos do Velho Testamento”. Porém ele não disse isso, e portanto nós concluímos que, seja qual for a posição atribuída aos santos do Velho Testamento, eles não podem possivelmente pertencer ao corpo que não tinha existência, salvo nos propósitos de Deus, até à morte e ressurreição de Cristo, e a descida subseqüente do Espírito Santo. Salvos eles estavam, bendito seja Deus – salvos pelo sangue de Cristo e destinados a gozar a glória celestial com a Igreja; porém eles não podiam fazer parte daquilo que não existiu até séculos depois do seu tempo

Era fácil entrarmos numa maior discussão acerca desta verdade importante, se fosse este o lugar para o fazer; porém, quero continuar com o estudo do nosso capítulo, depois de ter apenas tocado numa questão de grande interesse, por ser sugerida pela posição que ocupa o capítulo 24 de Gênesis

Pode perguntar-se se devemos encarar esta parte interessante da Escritura Sagrada como figura da chamada da Igreja pelo Espírito Santo. Quanto a mim, sinto-me feliz por a tratar apenas como, uma ilustração dessa gloriosa obra. Não podemos supor que o Espírito de Deus ocupasse um capítulo todo simplesmente com os pormenores de uma família, se essa família não fosse uma exemplificação de alguma grande verdade.
“Porque tudo o que dantes foi escrito para o nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Rm 15.4). Isto é enfático. Portanto, o que devemos aprender com este capítulo? Creio que nos dá uma linda ilustração ou símbolo do grande mistério da Igreja. É importante vermos que, ao mesmo tempo que não há revelação direta deste mistério no Velho Testamento, há, todavia, cenas e circunstâncias as quais o manifestam de uma maneira notável. Como, por exemplo, este capítulo. Como já foi observado, tendo o filho sido oferecido, em figura, e recobrado de entre os mortos, e o tronco do qual havia saído este filho paternal posto de parte, Sara, o mensageiro é enviado pelo pai para procurar uma noiva para o filho

Uma Esposa para o Filho

Para a boa compreensão de todo o capítulo, devemos considerar os seguintes pontos: 1. – o pacto; 2. – o testemunho; 3. – os resultados. É encantador notarmos como a chamada e exaltação de Rebeca foram fundadas sobre o pacto entre Abraão e o seu servo. Ela não sabia nada a esse respeito, embora fosse, nos desígnios de Deus, o objetivo de tudo isso. Assim é com a Igreja de Deus como um todo, e cada parte constituinte: “... no teu livro todas estas coisas foram escritas, as quais iam sendo dia a dia formadas, quando nem ainda uma delas havia” (Sl 139.16). “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo, como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade” (Ef 1.3,4). “Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que Ele seja o primogênito de entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou, e aos que justificou, a esses também glorificou” (Rm 8. 29,30)

Estas passagens estão todas de harmonia com o assunto que passamos imediatamente a considerar. A chamada, a justificação, e a glória da Igreja são fundadas no propósito eterno de Deus – a Sua Palavra e juramento ratificados pela morte, ressurreição e exaltação de Seu Filho. Muito antes, antes de raiar o tempo, nos profundos recessos da mente eterna de Deus, acha-se este maravilhoso propósito a respeito da Igreja, o qual não pode, de nenhum modo, ser separado do pensamento divino quanto à glória do Filho. O juramento entre Abraão e o servo tinha como seu objetivo a procura de uma noiva para o filho. Foi o desejo do pai acerca do filho que levou a toda a dignidade posterior de Rebeca

É agradável vermos isto. Agradável ver como a segurança e bênção da Igreja estão inseparavelmente ligadas com Cristo e a Sua glória: “Porque o varão não provém da mulher, mas sim a mulher, do varão. Porque também o varão não foi criado por causa da mulher, mas a mulher, por causa do varão” (1Co 11.8,9). O mesmo acontece com a parábola da ceia: “O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho” (Mt 22.2). O FILHO é o grande objeto de todos os desígnios de Deus: e se alguém é trazido para a bênção, ou glória, ou dignidade, só o pode ser por ligação com Ele. O direito a estas coisas, e até mesmo à própria vida, foi perdido pelo pecado; porém Cristo cumpriu a pena do pecado; Ele responsabilizou-Se por tudo a favor do Seu corpo, a Igreja: foi pregado na cruz como seu substituto, levou os seus pecados no Seu corpo sobre a cruz, e baixou à sepultura sob o peso deles. Por isso nada pode ser mais completo do que a libertação da Igreja de tudo que era contra ela. Ela é vivificada da sepultura de Cristo, onde todos os seus pecados foram deixados. A vida que ela tem é uma vida tomada do outro lado da morte, depois de todas as exigências possíveis terem sido satisfeitas. Por isso, esta vida é ligada e fundada sobre a justiça divina, tanto mais que o direito de Cristo à vida é baseado sobre o fato de ter esgotado inteiramente o poder da morte; e Ele é a vida da Igreja. Desta maneira a Igreja goza de vida divina; ele encontra-se em justiça divina; e a esperança que a anima é a esperança de justiça (vede entre outras, as passagens seguintes, Jo 3.16,36; 5.39,40; 6.27,40,47,68; 11.25; 17.2; Rm 5.21; 6.23; 1Tm 1.16; 1Jo 2.25; 5.20; Judas 21; Ef 2.1 a 6.14,15; Cl 1.12-22; 10-15; Rm 1.17; 3.21-26; 4.5,23-25; 2Co 5.21; Gl 5.5)

A Igreja, o Complemento de Cristo

Estas passagens estabeleceram plenamente os três pontos seguintes: a vida, a justiça e a esperança da Igreja, todos os quais emanam do fato de ela ser um com Aquele que ressuscitou de entre os mortos. Ora nada pode dar tanta segurança ao coração como a convicção que a existência da Igreja é essencial para a glória de Cristo: “... a mulher é a glória do varão (1Co 11.7). Outro tanto, a Igreja é chamada “a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (Ef 1.23). Esta última expressão é notável. A palavra traduzida “plenitude” quer dizer o complemento, aquilo que, sendo acrescentado a alguma coisa mais, faz um todo. É assim que cristo, a Cabeça, e a Igreja, o corpo, formam “um novo homem” (Ef 2.15). Encarando o assunto sob este ponto de vista não é de admirar que a Igreja tivesse sido o objeto dos pensamentos eternos de Deus. Quando a contemplamos como o corpo, a noiva, a companheira, a outra metade do Seu Filho unigênito, vemos que houve, pela graça, uma razão maravilhosa para Deus ter assim pensado nela antes da fundação do mundo

Rebeca era necessária para Isaque, e, portanto, ele era o assunto do conselho secreto, enquanto estava ainda em absoluta ignorância quanto ao seu destino. Todo o pensamento de Abraão era acerca de Isaque. “Põe agora a tua mão debaixo da minha coxa para que eu te faça jurar pelo Senhor, Deus dos céus e Deus da terra, que não tomarás para meu filho, mulher das filhas dos cananeus, no meio dos quais habito”. Aqui vemos que o ponto importante era: mulher para meu filho. “Não é bom que o homem esteja só”. Isto descobre uma profunda e bem-aventurada vista da Igreja. Nos desígnios de Deus ela é necessária para Cristo; e na obra consumada de Cristo foi feita provisão divina para a sua chamada à existência. A ocupação com esta verdade de lado a questão de saber se Deus pode salvar pobres pecadores; Deus quer “fazer as bodas de Seu Filho”, e a noiva escolhida – ele é o objeto do propósito do Pai, o objeto do amor do Filho e do testemunho do Espírito Santo. Ela vai ser participante de toda a dignidade e glória do Filho, assim como é participante de todo esse amor de que Ele tem sido o objeto eterno. Escutai as Suas Palavras: “E Eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um. Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim e que tens amado a eles como tens amado a mim” (Jo 17.22,23)

Isto resolve toda a questão. As palavras que acabo de reproduzir dão-nos os pensamentos do coração de Cristo a respeito da Igreja. Ela está destinada a ser como Ele é, e não somente isto, mas ela é-o agora; como o apóstolo João nos diz: “Nisto é perfeita a caridade para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo” (1Jo 4.17). Isto dá plena confiança à alma “... no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu filho Jesus Cristo” (1Jo 5.20). Não existe aqui fundamento para a incerteza. Tudo está seguro para a noiva no Noivo. Tudo que pertencia a Isaque ficou sendo de Rebeca, porque Isaque era dela; e do mesmo modo que é de Cristo é facultado à Igreja: “... tudo é vosso: seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso, e vós, de Cristo, e Cristo de Deus” (1Co 3.21-23)

Cristo é Cabeça da Igreja sobre todas as coisas (Ef 1.22). Será Seu gozo, em toda a eternidade, exibir a Igreja na glória e beleza com que Ele a dotou, pois a sua glória e beleza serão apenas o Seu reflexo. Os anjos e os principados verão na Igreja a manifestação maravilhosa da sabedoria, do poder, e da graça de Deus em Cristo

O Testemunho do Espírito Santo

Mas consideremos agora o segundo ponto, a saber, o testemunho. O servo de Abraão levou consigo um grande testemunho: “Então, disse: Eu sou o servo de Abraão. O Senhor abençoou muito o meu senhor, de maneira que foi engrandecido, e deu-lhe ovelhas e vacas, e prata e ouro, e servos e servas, e camelos e jumentos. E Sara, a mulher do meu senhor, gerou um filho a meu senhor depois da sua velhice; e ele deu-lhe tudo quanto tem” (versículos 34 a 36). O servo revela o pai e o filho. Tal é o seu testemunho: fala da abundância de meios do pai, e de o filho ter sido dotado com todos estes bens em virtude de ser “o unigênito” e objeto do amor do pai. Com este testemunho ele procura conseguir uma noiva para o filho

Tudo isto, desnecessário se torna acentuá-lo, é elucidativo do testemunho com que o Espírito Santo foi enviado do céu no dia de Pentecostes. “Mas, quando vier o Consolador, que Eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito da verdade, que procede do Pai, testificará de mim” (Jo 15.26). “Mas, quando vier aquele Espírito da verdade, ele vos guiará em toda a verdade, porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará o que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso, vos disse que há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (Jo 16.13-15). A coincidência destas palavras com o testemunho do servo de Abraão é instrutiva e interessante. Foi falando de Isaque que o servo procurou atrair o coração de Rebeca, e é, como sabemos, falando de Jesus que o Espírito Santo procura afastar os pobres pecadores do mundo de pecado e loucura para a bem-aventurada e santa unidade do corpo de Cristo.
“Ele... há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar”. O Espírito de Deus nunca guiará alguém a olhar para si ou para o seu trabalho, mas só e sempre para Cristo. Por isso, quanto mais espiritual se é, mais se estará ocupado com Cristo

Alguns consideram uma prova de espiritualidade estarem sempre ocupados com os seus corações, e ocupando-se com o que neles encontram, embora isso seja a obra do Espírito. Mas isto é um grande erro. Longe de ser uma prova de espiritualidade, é uma prova do contrário, pois está dito expressamente do Espírito Santo que “Ele há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar”. Portanto, sempre que alguém está olhando no íntimo e edificando sobre a evidência da operação do Espírito nele, pode estar certo de que não é guiado pelo Espírito de Deus nisso. É apegando-se a Cristo que o Espírito atrai almas a Deus. Isto é muito importante. O conhecimento de Cristo é vida eterna; e é a revelação que o Pai faz de Cristo, por intermédio do Espírito Santo, que constitui a base da Igreja. Quando Pedro confessou Cristo como o Filho do Deus vivo, a resposta de Cristo foi: “Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16.17-18)

Que pedra? Pedro? Longe disso. “Esta pedra” quer dizer simplesmente a revelação do Pai acerca de Cristo, como o Filho do Deus vivo – o único meio mediante o qual alguém é agregado à Assembléia de Cristo. Ora isto abre-nos o verdadeiro caráter do evangelho. É uma revelação por excelência – uma revelação não apenas de uma doutrina, mas de uma Pessoa – a Pessoa do Filho. Esta revelação, sendo recebida pela fé, atrai o coração para Cristo, e torna-se a origem de vida e poder – o terreno de confraternidade; o poder de comunhão. “Quando aprouve a Deus... revelar seu Filho em mim” (Gl 1.15,16). Aqui temos o verdadeiro princípio da “pedra”, a saber, Deus revelando o Seu Filho. É desta maneira que a superestrutura é levantada; e repousa sobre este fundamento sólido, segundo o propósito eterno de Deus

O Servo Fala de Isaque

É portanto especialmente instrutivo encontrar neste capítulo 24 de Gênesis uma tão notável e encantadora figura da missão e do testemunho especial do Espírito Santo. O servo de Abraão, buscando uma noiva para Isaque, mostra toda a dignidade e riqueza com que o pai o havia dotado; o amor de que ele era alvo; e, em suma, tudo que era calculado para enternecer o coração e afastá-lo das coisas temporais. Ele mostrou a Rebeca um objetivo à distância, e pôs diante dela a bem-aventurança de ser tornada em um com aquele ente amado e altamente favorecido. Tudo o que pertencia a Isaque viria a pertencer também a rebeca, quando ela se tornasse parte dele. Este foi o seu testemunho. Este é, também, o testemunho do Espírito Santo. Ele fala de Cristo, da glória de cristo, da beleza de Cristo, da plenitude de Cristo, da graça de cristo, das “riquezas incompreensíveis de Cristo”, da dignidade da Sua Pessoa e da perfeição da Sua obra

Além disso Ele foca a bem-aventurança espantosa de sermos um com Cristo, “membros do Seu corpo, da Sua carne, e dos Seus ossos”. Tal é o testemunho do Espírito; e nele temos a pedra de toque por meio da qual podemos provar todas as espécies de ensino e pregação

O ensino mais espiritual será sempre caracterizado por completa e constante apresentação de Cristo; Ele será sempre o motivo de tal ensino. O Espírito não pode fixar a atenção em coisa alguma senão Jesus. Deleita-Se em falar d’Ele. Compraz-Se em mostrar os Seus atrativos e as Suas perfeições. Por isso, quando alguém fala do poder do Espírito de Deus haverá sempre mais de Cristo do que qualquer outra coisa no seu ministério. Numa tal pregação haverá pouco lugar para a lógica e a razão. Estas coisas podem ser muito boas quando alguém deseja mostrar-se, porém o único objetivo do Espírito – notem bem todos os que exercem o ministério – será sempre o de revelar Cristo.

Rebeca Vai ao Encontro do Esposo

Pensemos, agora, por último, nos resultados de tudo isto. A verdade e a aplicação prática da verdade são duas coisas muito diferentes. Uma coisa é falar das glórias da Igreja, e outra inteiramente diferente ser-se praticamente influenciado por essas glórias. No caso de Rebeca o efeito foi notável e decisivo. O testemunho do servo de Abraão ecoou aos seus ouvidos e penetrou fundo no seu coração e desligou inteiramente as afeições de seu coração das coisas que a rodeavam. Estava pronta a deixar tudo e abalar, a fim de conhecer tudo que lhe havia sido contado. Era normalmente impossível que ela pudesse ser o alvo de um tão elevado destino e continuasse todavia no meio das circunstâncias da natureza. Se aquilo que lhe era dito quanto ao futuro era verdadeiro, prender-se com o presente seria a pior de todas as loucuras. Se a esperança de ser a esposa de Isaque, co-herdeira com ele de toda a sua dignidade e glória, era uma realidade, continuar a apascentar as ovelhas de Labão equivaleria a desprezar tudo quanto Deus, em graça, havia posto diante de si

Mas não, as perspectivas eram brilhantes demais para serem desprezadas. Verdade é que ela não havia ainda visto Isaque, nem a herança, mas acreditou no testemunho dado a seu respeito, e recebeu, com efeito, o penhor desse testemunho; e estas duas coisas eram suficientes para o seu coração; e por isso ela levantou-se sem hesitação e mostrou o seu desembaraço em partir na sua decisão memorável: “irei”. Ela estava inteiramente pronta a fazer uma jornada desconhecida na companhia de um que lhe havia falado de um objetivo distante e de glória ligada com ele, à qual ela estava preste a ser elevada. “Irei”, disse ela, e, esquecendo as coisas que atrás ficavam, e avançando para as que estavam diante dela, prosseguiu... pelo prêmio da vocação de Deus (Fp 3.13,14). Exemplificação bela e tocante esta da Igreja sob a condução do Espírito Santo de viagem para ir ao encontro do Noivo celestial. Isto é o que a Igreja deveria ser; mas, infelizmente, existe nisto fracasso triste. Há muito pouco daquela alegria santa em pôr de lado todo o peso e embaraço no poder da comunhão com o Guia Santo e Companheiro do nosso caminho, cuja missão e deleite é receber do que é de trazer-nos saber, precisamente como o servo de Abraão recebeu as coisas de Isaque e deu-as a Rebeca. Sem dúvida, ele achou gozo em lhe dar mais pormenores acerca do filho de seu senhor, à medida que avançavam para o cumprimento de toda a sua alegria e glória. É assim, pelo menos, com o nosso guia e companheiro celestial. Ele deleita-Se em falar de Jesus, “Ele... há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar” e, “vos anunciará o que há de vir” (Jo 16.13,14)

E é isto precisamente que nós necessitamos, este ministério do Espírito de Deus, mostrando Cristo às nossas almas, produzindo em nós desejo ardente de O ver como Ele é, e sermos semelhantes a Ele para sempre. Nada senão isto jamais desligará os nossos corações da terra e da natureza. O quê, a não ser a esperança de se ligar a Isaque, poderia ter levado Rebeca a dizer “irei”, quando o seu irmão e sua mãe disseram “fique a donzela conosco alguns dias, ou pelo menos dez dias”? Assim é conosco: nada, senão a esperança de vermos Jesus como Ele é, e de sermos semelhantes a Ele, nos poderá habilitar ou levar a purificarmo-nos a nós próprios, assim como Ele é puro (1Jo 3.3)



Fonte: Capítulo 24 do livro “Estudos sobre o livro de Gêneses” da coleção “PENTATEUCO”

DEPÓSITO DE LITERATURA CRISTÃ

Nenhum comentário: