domingo, 5 de junho de 2011

ANDAR PELA FÉ - A CIRCUNCISÃO - IRMÃO CHARLES HENRY MACKINTOSH.


- Gênesis 17


O Deus Todo-Poderoso

Aqui é-nos apresentado o remédio de Deus para o fracasso de Abraão. “Sendo, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o Senhor a Abrão e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito”. Este versículo é muito compreensivo. É evidente que Abraão não havia andado na presença do Deus Todo-Poderoso quando aceitou o recurso de Sara acerca de Agar. É somente a fé que pode habilitar alguém a andar na presença do Deus Todo-Poderoso. A incredulidade introduzirá sempre alguma coisa da personalidade – as circunstâncias, casos secundários e coisas semelhantes -, e deste modo a alma é privada do gozo e da paz, elevação calma e santa independência, que resultam de se descansar nos braços d’Aquele que pode fazer todas as coisas. Creio que necessitamos de ponderar isto profundamente. Deus não é uma realidade presente para as nossas vidas como devia ser, ou seria, se nós andássemos em simplicidade de fé e dependência d’Ele.

Somente Deus

“Anda na minha presença”. Isto é verdadeiro poder. Andar assim implica não termos nada perante os nossos corações salvo Deus. Se a minha expectativa for baseada nos homens e nas coisas não estarei andando perante Deus, mas antes perante os homens e as coisas. É de máxima importância saber quem ou o que tenho perante mim como objetivo. Em quem confio? Em quem ou no que descanso, neste momento? Deus enche inteiramente o meu futuro? Os homens e as circunstâncias têm alguma coisa a ver com isso? Há algum lugar para a criatura? O único meio de nos elevarmos acima do mundo é andarmos por fé, porque a fé enche o ambiente de tal modo com Deus, que não há lugar para a criatura – nem para o mundo. Se Deus enche o meu raio de visão, eu nada mais posso ver; e então posso dizer com o salmista: “Ó minha alma, espera somente em Deus, porque d’Ele vem a minha esperança. Só Ele é a minha rocha e a minha salvação; é a minha defesa; não serei abalado” (Sl 62.5,6). Esta palavra “só” é profundamente penetrante. A natureza não pode dizer isto. Não é que ela, sob a influência do cepticismo atrevido e blasfemo, ponha Deus completamente de lado; mas, indubitavelmente, não pode dizer, “só Ele”.

É bom vermos que, como no caso da salvação, e em todos os pormenores da vida presente, dia a dia, Deus não compartilhará a Sua glória com a criatura. Desde o princípio até ao fim tem de ser “só Ele”; e isto, também, em realidade. De nada servirá termos a palavra dependência de Deus nos nossos lábios, enquanto os nossos corações estão realmente confiando em qualquer recurso da criatura. Deus mostrará isto plenamente; Ele examinará o coração; passará a fé pelo fogo. “Anda em minha presença e sê perfeito”. Chegamos assim ao ponto principal. Quando a alma pode, por graça, libertar-se de todas as expectativas queridas da natureza, então, e só então, está preparada para deixar Deus agir; e quando Ele atua tudo deve estar bem. Deus não deixará nada por fazer. Ele fará tudo em favor daqueles que põem simplesmente a sua confiança n’Ele. Quando a sabedoria infalível, o poder onipotente, e o amor infinito se combinam, o coração confiado pode gozar de descanso calmo. A não ser que achemos qualquer circunstância grande ou pequena demais para “o Deus Todo-Poderoso” não temos fundamento próprio para um pensamento ansioso sequer. Isto é uma verdade maravilhosa, eminentemente calculada para pôr todos aqueles que acreditam nela na mesma presença bendita em que encontramos Abraão neste capítulo. Quando Deus lhe havia dito, com efeito, “deixa tudo Comigo, e Eu arrumarei tudo por ti, muito para além dos teus desejos e da tua esperança” – a semente e a herança, e tudo que lhes pertence de direito, serão eternamente estabelecidas, segundo o concerto com Deus Altíssimo -, “Então caiu Abraão sobre o seu rosto”. Na verdade, bem-aventurada atitude! A única própria para um pecador inteiramente vazio, fraco e inútil, poder ocupar na presença do Deus vivo, o Criador dos céus e da terra, Possuidor de todas as coisas – “o Deus Onipotente”.

“E falou Deus com ele”. É quando o homem está por terra que Deus pode falar com ele em graça. A atitude de Abraão aqui é a expressão bela de inteira prostração na presença de Deus, no sentido de inteira fraqueza e nulidade. E tal humilhação, note-se, é segura precursora da revelação do Próprio Deus. É quando a criatura se humilha que Deus pode mostrar-Se no esplendor puro do que Ele é. Ele não dará a sua glória a outrem: pode manifestar-Se e permitir que o homem adore em face dessa revelação; porém, até que o pecador tome o seu próprio lugar não pode haver revelação do caráter divino. Como é diferente a atitude de Abraão neste capítulo daquela que tomou no capítulo precedente! Ali ele tinha a natureza perante si; aqui tem o Deus Todo-Poderoso. Naquele ele era um ator; neste é adorador. Antes ele deixara-se levar pelo plano de Sara; agora entrega-se a si, e as suas circunstâncias, o seu presente e o seu futuro, nas mãos de Deus, e deixa que Deus atue nele, por ele, e por seu intermédio. Por isso, Deus pode dizer, “farei...”, “estabelecerei...”, “darei”. Numa palavra, é tudo Deus e os Seus desígnios; e isto é descanso verdadeiro para o coração que conhece alguma coisa de si próprio.

A Circuncisão

O concerto da circuncisão é agora introduzido. Os membros da família da fé devem trazer em seu corpo o selo desse pacto. Não pode haver exceção: “... será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por dinheiro; e estará o meu concerto na vossa carne por concerto perpétuo. E o macho com prepúcio, cuja carne do prepúcio não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada dos seus povos; quebrantou o meu concerto” (versículos 13 e 14). Em Romanos 4.3 é-nos dito que a circuncisão é um selo de justiça: “Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça”. Sendo assim considerado justo, Deus pôs o Seu “selo” sobre ele.

Selados com o Espírito Santo

O selo com que o crente está agora selado não é uma mera marca na carne, mas “o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção” (Ef 4.30). Isto é baseado na sua ligação eterna com Cristo e a sua perfeita identificação com Ele, na morte e ressurreição; como lemos em Colossenses 2.10-13, “E estais perfeitos n’Ele, que é a cabeça de todo principado e potestade; no qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo da carne: a circuncisão de Cristo. Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitaste pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos. E, quando vós estáveis mortos nos pecados e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com Ele, perdoando-vos todas as ofensas”.É uma passagem gloriosa, mostrando a verdadeira idéia daquilo que a circuncisão devia simbolizar.

Todo crente pertence à “circuncisão” em virtude da sua ligação viva com Aquele que, por meio da cruz, aboliu para sempre tudo que existia no caminho da justificação perfeita da Sua Igreja. Não houve um ponto de pecado na consciência, nem um princípio de pecado na natureza do Seu povo, cujo julgamento Cristo não tivesse sofrido na cruz; e agora eles são considerados como tendo morrido com Cristo, sido sepultados com Cristo e ressuscitado com Cristo, perfeitamente aceitos n’Ele – os seus pecados, as suas iniqüidades e transgressões, a sua inimizade e a incircuncisão havendo sido afastados, inteiramente, por meio da cruz. A sentença de morte foi escrita na carne; porém o crente está de posse de uma nova vida, em união com a sua Cabeça ressuscitada na glória.

O apóstolo, na passagem acima reproduzida, ensina-nos que a Igreja foi vivificada da sepultura de Cristo; e, além disso, que o perdão de todas as suas ofensas é tão completo, e inteiramente obra de Deus, como foi a ressurreição de Cristo de entre os mortos; e este último ato, como sabemos, foi o resultado da “sobreexcelente grandeza do seu poder”, ou, como podemos melhor dizer, “segundo a operação da força do seu poder” (Ef 1.19) – uma expressão verdadeiramente maravilhosa, calculada para mostrar a magnitude e glória da redenção, bem como a base sólida em que ela se fundamenta.

Que descanso (- descanso perfeito -) para o coração e a consciência se encontrar aqui! Que alívio para o espírito oprimido! Todos os nossos pecados sepultados na sepultura de Cristo, sem um sequer – até mesmo o mais pequeno – ter sido deixado de fora! Deus fez isto por nós! Tudo quanto os Seus olhos perscrutadores podiam detectar em nós colocou sobre Cristo quando Ele foi pendurado na cruz! Ele julgou-O ali então, em vez de nos julgar a nós no inferno, para sempre! Que precioso fruto este do amor admirável, profundo e eterno dos desígnios de redenção! E estamos “selados”, não com determinada marca feita na carne, mas com o Espírito Santo. Toda a família da fé está selada desta maneira. Tal é a dignidade, o valor e a eficácia imutável do sangue de Cristo, que o Espírito Santo pode habitar em todos aqueles que têm posto a sua confiança nele.

E, agora, que resta para aqueles que conhecem estas coisas senão serem “firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor?” (1Co 15.58). Que assim seja, ó Senhor, pela graça do Teu Santo Espírito!




Fonte: Capítulo 17 do livro “Estudos sobre o livro de Gêneses” da coleção “PENTATEUCO”.



DEPÓSITO DE LITERATURA CRISTÃ

Nenhum comentário: