segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

FILHOS DA LUZ.

“Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz.” Efésios 5.8



O surgimento da energia elétrica causou uma revolução na história da humanidade. Evidentemente que esta inovação trouxe inúmeros benefícios como também malefícios. Talvez quem tenha sentido o impacto da mudança, foram as pessoas que viveram no período do seu surgimento. Conta-se que aconteceu uma situação pitoresca vivenciada por uma viúva muito rica e muita ingênua. Quando ainda era raro ter luz elétrica nas casas, esta senhora, que morava sozinha em um casarão, pleiteou o direito de ter energia elétrica em sua residência. Meses depois de ter sido atendida, recebeu a inesperada visita de um funcionário da companhia elétrica. Ele estava ali para saber porque o consumo de energia era tão pouco, a ponto de não alcançar o mínimo permitido. Após ser recebido pela viúva perguntou: - A senhora tem usado a energia elétrica ? - Sim, todos os dias. Foi a resposta. Então questionou: - De que maneira a senhora tem utilizado? Então a senhora, muito calmamente, explicou: -Todos os dias, quando escurece, eu acendo as lâmpadas. Logo em seguida, passo em cada compartimento da casa, acendendo as velas, começando pela sala e indo para os quartos. Quando não mais preciso da luz elétrica, eu as apago. O funcionário, ficou estupefato. Este caso ilustra muito bem como muitos cristãos têm feito o uso da Luz de Cristo em suas próprias vidas.

No texto que lemos, o apóstolo Paulo fala da verdadeira identidade do cristão e conseqüentemente, do seu novo estilo de vida. Para isso, ele faz uso de um dos mais comuns e mais fortes simbolismos do Novo Testamento, Luz e Trevas. Provavelmente o apóstolo Paulo tenha utilizado tanto estas expressões em suas pregações e ensinamentos, pelo fato de ter sido marcante sua experiência com a Luz celestial no caminho de Damasco. “Seguindo ele estrada fora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do céu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues ?” Atos 9:3 Neste mesmo dia Paulo recebeu do Senhor Jesus a missão de ir aos gentios “para lhes abrir os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim” Atos 26.18. Porém, antes dele iniciar sua missão, foi necessário que ele passasse por um período de escuridão, ou seja, ficar cego por três dias.

Quando Paulo exorta para que os cristãos andassem como “filhos da luz”, ele sabia do que estava falando. Ele mesmo fora concebido pela Luz. O encontro com Jesus concedeu a Paulo uma nova perspectiva, um novo início, um novo nascimento. Iluminado por Jesus, passou a enxergar a si mesmo, os outros e a Deus com os olhos da fé. Porém, se quisermos compreender a riqueza e a profundidade de ser um filho da luz, será preciso entendermos primeiramente a posição original do homem antes da queda e em seguida a desgraça em que o homem caiu, ao passar para o domínio das trevas.

Ninguém pode negar que vivemos em meio a um conflito entre o Bem e Mal, entre Deus e Satanás. São inúmeras as passagens bíblicas que apresentam o conflito entre as Trevas e a Luz. Em algum momento, antes da criação do mundo, Lúcifer, um anjo de luz, como seu próprio nome diz, escolhido por Deus para ser o principal dos anjos se rebelou contra Deus. Em Ezequiel 28:15 diz : “ perfeito era nos teus caminhos, desde o dia que foste criado, até que se achou iniqüidade ( maldade e perversidade) em ti”. A razão foi o orgulho de sua beleza, inteligência e resplendor. Observe o que Lúcifer disse : “ Eu subirei ao céu...”, “... exaltarei o meu trono...”, “... me assentarei ...”, “... subirei acima das mais altas nuvens...”, “... Serei semelhante ao Altíssimo”. Isaías 14:13,14. Na sua atitude de tentar ter luz independente de Deus, tornou-se o príncipe das trevas.

Foi no Éden, que o reino das trevas incorporou a humanidade sob o seu domínio. A luz, a vida e a liberdade foram trocadas pelas trevas, morte e escravidão. O primeiro homem, criado a imagem e semelhança de Deus, influenciado por Satanás, em forma de uma serpente, fez a opção de ultrapassar o limite a ele conferido. O resultado, foi a separação de Deus e a subordinação a um outro governante e a um outro sistema, ou seja, Satanás e ao mundo das trevas. A entrada do pecado arruinou tanto o mundo interno do homem como o seu mundo externo.

O plano de Deus foi criar o homem de maneira tricotômica, isto é, espírito, alma e corpo com o propósito deste interagir com Deus, com os seus semelhantes e com o mundo material. O espírito do homem tinha a primazia sobre a alma e o corpo, pois este estava em perfeita conexão com o Espírito de Deus. A alma do homem composta de intelecto, emoção e vontade foi formada para pensar como Deus, amar a Deus e decidir sempre pela vontade de Deus. O corpo em estado de perfeição se comunicava de modo harmonioso com mundo maravilhoso criado por Deus . Havia um perfeito relacionamento entre Deus e o homem, e o homem e o seu ambiente. Reinava a Luz tanto dentro como fora do homem.

A entrada do pecado perverteu a alma humana. A escuridão apoderou-se da vida intelectual, emocional e volitiva. A mente do homem foi cegada. O coração do homem foi corrompido. A vontade do homem foi virada ao avesso. Por rejeitar a Deus, a raça humana teve sua filiação ligada ao maligno. A corrupção de Adão passou a todos nós e ficamos destituídos dos traços do caráter divino. Quando o apóstolo diz: “Pois, outrora éreis trevas” - ele não estava dizendo simplesmente “estivestes outrora nas trevas”. Mas, ele está dizendo que “as trevas estavam... em vocês ” . “Éreis trevas”, ele diz. Suas vidas, e não apenas seu ambiente, eram escuridão.

A escuridão nos impede de andar, de correr, de ver as coisas lindas que Deus criou para nós. O pecado é uma forma de escuridão, que nos impede de ver a Deus, de contemplar as Suas maravilhas, de ver os Seus milagres, de viver o Seu reino aqui na Terra. Em João 12:46 Jesus diz, “Eu vim como luz para o mundo, a fim de que todo crê em mim não permaneça nas trevas “. Em João 8:12 encontramos a seguinte declaração de Jesus: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida”. Ainda no evangelho de João nos lemos: “A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela” João 1:5 Este é o decreto que nos garante o triunfo da luz. Apesar das forças das trevas e a incredulidade continuarem crescendo, a Luz sempre será triunfante.

O apóstolo Paulo escreveu “o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. 2 Coríntios 4:3,4. Satanás, continua em ação para impedir que os homens conheçam a Deus e a sua salvação. Ele faz de tudo para manter os pecadores nas trevas e os cristãos na penumbra espiritual. Ele não quer abrir mão de sua autoridade sobre o planeta terra. Porém o Evangelho anuncia com boas novas que o universo tem um novo governante, um Soberano Divino e eterno, Cristo Jesus. Foi na cruz, que a antiga serpente foi derrotada pelo Filho de Deus. Sua cabeça foi esmagada, e o império das trevas foi saqueado. “E despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”. Colossenses 2:15.

No calvário tudo indicava que a Luz da vida havia se apagado. Mas foi apenas por um momento. Depois de três dias a Luz explodiu em glória na ressurreição. Por meio da morte e ressurreição de Cristo fomos arrancados do império das trevas para um novo destino. “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor”. Colossenses 1:13. Foi Deus nos “chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. 1 Pedro 2:9.

A questão é: como um pecador se torna filho da Luz? O próprio Senhor Jesus nos dá a resposta. “Ainda por um pouco a luz está convosco... Enquanto tendes a luz, crede na luz, para que vos torneis filhos da luz”. João 12:35-36. Quando uma pessoa crê em Jesus, ela passa a fazer parte da família da Luz. Paulo disse: “Todos vós sois filhos da luz, e filhos do dia. Nós não somos da noite, nem das trevas”. 1 Tessalonicenses 5.5

É preciso um novo nascimento para se tornar um filho de Deus “a saber, a verdadeira luz, que, vinda ilumina a todo homem” João 1:9 Tornamo-nos filhos da luz crendo em Cristo e em tudo o que Ele fez a nosso favor. Somos transformados quando recebemos a “palavra” de que fomos unidos com Cristo nos acontecimentos da sexta-feira da Paixão como também no Domingo da Ressurreição. Ao crermos na Palavra de Deus flui para dentro de nossas almas o poder da Ressurreição, trazendo-nos nova vida de Cristo. “Se morremos em Cristo, cremos que também viveremos com Ele... Assim, também vós, considerai-vos mortos para o pecado, porém vivos para Deus em Cristo Jesus”. Romanos 6:8,11

O que acontece quando a alma é iluminada por Deus ? O espírito do ser humano é iluminado e penetrado pela presença de Cristo, tornando-se vivo. A liberdade do ser humano e seu entendimento tornam-se capazes de uma dimensão totalmente nova. Ela recebe as virtudes e os dons de Deus juntamente com o Espírito Santo. Este por sua vez inicia uma reforma da imagem e semelhança de Deus, fazendo com que suas afeições se voltem para Deus como também a sua vontade se alinhe com a de Deus. Cada vez mais Cristo vai ocupando o centro da vida, governando a partir do espírito vivificado da pessoa.

A iluminação espiritual do novo nascimento não é o fim de uma caminhada, mas apenas o começo. O início de uma caminhada no mundo como filhos de Luz. O apóstolo Paulo, continua: “Andai como filhos da luz” . O que o apóstolo quer dizer que devemos a partir desta nova identidade de luz. Conduzir o dia-a-dia de nossas vidas de acordo com esta nova natureza que nos foi dada em Cristo. Em outras palavras, “se estais no Senhor, estais na luz e a luz está em vós”. Crendo no Senhor, a manifestação da luz de Jesus é algo que deveria ser natural em nossa vida. “Porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça e verdade” Efésios 5:9. Então porque não é ?

O grande problema da humanidade diante de Deus é incredulidade. A condenação dos pecadores se dará não porque são pecadores, mas por rejeitarem a Jesus, a luz de todo homem. “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras. Quem pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em Deus”. João 3.19-21. Parece que o mesmo acontece com os cristãos, contentam-se apenas com uma medida de luz. Confessam que amam a luz mas não querem que todos os aspectos de sua vida venham à claridade. Preferem a penumbra. Não estão nem na escuridão e nem mesmo na luz total de Jesus. Fazem opção por um estilo de espiritualidade “crente vaga-lume”.

Além dos “crentes vaga-lumes” existe uma diversidade de outros tipos de crentes, há os holofotes, os faróis, os lanternas, os lampiões e as lamparinas. Eles brilham intensamente apenas nos dias de culto. Porém, ao cantar o ultimo cântico, a escuridão passa a reinar na vida pessoal. Durante a experimentam apenas alguns lampejos de luz, quando experimentam! Esta nunca foi a proposta de Deus. Sua proposta foi que fossemos “irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” Filipenses 2:15 Um povo radiante, uma “raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz...”. 1 Pedro 2: 9

Andar como filho da luz é ter Cristo no centro de nossa vida e permitir que Ele possa iluminar todo o nosso viver. É permitir que ocupe todos os compartimentos do nosso ser, e não apenas alguns cômodos. Todas as áreas de nossa vida colocadas ‘a luz, tanto para Deus como para nós mesmos. Isto significa pensamentos, sentimentos e desejos diante da claridade da Luz de Cristo. Será impossível viver como filhos da luz, se continuarmos empurrando para o sótão de nossa alma pecados ocultos, paixões carnais, dores, ódio, preconceitos ou mesmo orgulho. “Deus é luz, e não há nele treva nenhuma. Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” 1 João 1:5-7.

Andar na luz é não permitir que nada obstrua o nosso relacionamento com Deus, com o outro e conosco mesmo. Pela análise de nossa comunhão nestas três dimensões podemos constatar quanto há da luz divina e quanto há ainda de nossa própria luz. Andar na luz, implica perdão, arrependimento, humildade e reconciliação. Enquanto as trevas nos separa uns dos outros a luz no une. Viver no brilho da santidade de Cristo é ter todo o nosso ser transformado e experimentar a restauração da imagem e semelhança de Deus dia após dia. “Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” Mateus 5:16.
Estraido do site:www.palavradacruz.com.br(Cidade de Londrina-Pr).
Pr Julio Cesar Lukarevsk
A Deus Toda a Honra e Glória.

Nenhum comentário: