quarta-feira, 10 de setembro de 2008

A PERSEVERANÇA DOS SANTOS.

A PERSEVERANÇA DOS SANTOS.
PERSEVERANÇA:- Doutrina básica de todas as denominações que se firmam na palavra de Deus.
Perseverança, nada mais é que: a) Firmeza; b) Constância na fé, nas virtudes.
PERSEVERAR:- a) Persistir; b) Conservar-se firme e constante.

Poderíamos dizer que perseverar é um ato de um sujeito determinado, decidido, resolvido; que marca, fixa, indica e determina tempos com precisão. E se esse sujeito verdadeiramente vive uma vida de acordo com a palavra de Deus, se está em Cristo (cf. Gal. 2: 19 e 20) e anda, pelo determinado conselho, desígnio e presciência de Deus (cf. At. 2: 23), realmente será bem-aventurado em tudo o que se predispor a fazer.
Necessitamos da perseverança para:
a)- Ganhar nossas almas – Luc. 21:19; Mc. 13 :13; Mat. 10 :22;
b)- Temos necessidade dela – Heb. 10 : 36;
c)- Mesmo que debaixo de tribulações – Rom. 5 : 3;
d)- Tribulações nos provam e provações nos trazem a perseverança – Tg. 1 : 3;
e)- O PAI conhece nossa perseverança – Ap. 3 : 10;
f)- Devemos ser perseverantes nas orações – Rom. 12 : 12 – Col. 4 :2;
g)- Na doutrina “perseverantes” – At. 2 : 42;
h)- E se realmente formos perseverantes n’ELE “reinaremos” - II Tim. 2 : 11 e 12;
Temos aqui uma doutrina eminentemente bíblica(perseverança dos santos), e de acordo com os desígnios do Senhor é da sua vontade que o sejamos. Temos nas sagradas escrituras inúmeros exemplos de pessoas perseverantes no Senhor, e devemos seguir o modelo destas pessoas santas tais como: Enoque; Abraão; Isaque; Jacó; José; Moisés; Davi; O intrépido Neemias que não se conformou com os inimigos de fora e nem com o pecado de dentro “da cidade / igreja”, e que com seu amigo Esdras trabalhavam unidos para os cultos ao verdadeiro Deus em Jerusalém; Lucas o médico que não se conformava e procurava atestar até contra seus próprios conhecimentos na medicina os milagres do grande Mestre; Estevão; Paulo; e muitos outros filhos de Deus, que foram pessoas determinadas, e conseqüentemente “bem resolvidas”, bem sucedidas; por isso dizermos ser esta, uma doutrina eminentemente bíblica e dirigida à pessoas santas, pois somente aos santos foi dada essa oportunidade de ir perseverantemente até o fim, nos seus atos, obras, atitudes, orações, na doutrina, nas ações de graça, e, principalmente na VIDA recebida por estarem unidos com Cristo Jesus, após aceitarem pela fé sua morte e ressurreição.

Também poderíamos citar inúmeros casos de muitas pessoas que nos cercam, ou de casos que ficamos sabendo de pessoas determinadas naquilo que fazem, são contemporâneas nossas, perseverantes, foram ou são bem sucedidas naquilo que se predispuseram a fazer (humanisticamente falando), mas no sentido da salvação eterna falharam visto não conhecerem a doutrina do Pai, e ao final de suas histórias vemos que, o que lhes faltou foi a vida santa de Cristo, não sendo assim possível terem atingido a plenitude da perseverança e receberem a vida eterna.

Gostaria aqui de passar a falar de uma pessoa que percebi extremamente determinada, e, perseverante ao extremo, e que a palavra de Deus me fez considerar além dos demais ícones aqui já citados, talvez o maior deles: NOÉ. – Sabe lá o que é dizer por 120 anos (vai chover) e ser glosado por todos visto que a terra ainda não tinha recebido uma chuva sequer?
NOÉ = hb = Repouso (Gen. 5 : 25 até Gen. 10)
a)- Neto de Matusalém; Gen. 5 : 25
b)- 10º descendente de Adão após Sete;
c)- conforme Ezequiel 14:14, tinha retidão de caráter assim como Daniel e Jó;
d)- achou graça diante de Deus conforme Gen. 6 :8 e 9;
e)- morreu com 950 anos, conforme Gen. 9 : 29;
Pois muito bem; NOÉ passou por ordem divina, 120 anos construindo um navio (ARCA) de tábuas de cipreste e calafetada com betume, obra de porte com uma dimensão imensa: 171 metros de comprimento; 28,5 metros de largura, por 17 de altura, numa região “Mesopotâmia” que era assim chamada por estar situada num território entre dois rios: Tigre e Eufrates, que não comportariam uma embarcação de tamanho porte. Em Hebreus 11 :7, vemos o autor dizendo que NOÉ foi divinamente instruído nesta construção, e por fé, pois era temente a Deus, salvou sua casa e condenou assim o restante do mundo, tornando-se herdeiro da justiça que é segundo a fé. Vemos assim que a arca foi divinamente planejada, e ao mesmo tempo vemos que NOÉ, seguiu a risca perseverantemente o que planta divina lhe ordenava. Foi uma casa flutuante planejada por Deus e perseverantemente confeccionada, onde se incluíam quatro famílias humanas, pelo menos mil e setecentos pares de mamíferos, talvez dez mil pares de pássaros, além de répteis, insetos, e alimentação para todas essas criaturas, pelo espaço de um ano e dez dias (375 dias), parecendo como pouco mais que uma das armadilhas mais mal pensadas, imundas e sem conforto que nossa mente possa imaginar.

Mas, nas próprias Escrituras não aparece qualquer indício quanto à narrativa da arca de NOÉ, que teria sido operado um milagre divino para manter condições saudáveis e de sobrevivência da mesma. Era um “vaso” maior que a maioria das embarcações que geralmente cruzam os oceanos hoje em dia. No terceiro andar havia acomodações abundantes para as quatro famílias viverem em separado, com talvez os dez mil pássaros cantando para elas. Deus não haveria de exigir de NOÉ e de seus filhos que todos vivessem juntos, porque a ordem divina, anteriormente baixada, é que um filho deixasse pai e mãe e se ajuntasse à sua esposa. De fato, dentro daquele pavimento, poderia ter-se construído trinta e dois modernos apartamentos com cinco dependências em cada um, além de amplo espaço, entre eles para calçadas, varais de secar roupas e latas de lixo.

Já no século XX entre 1970 e 1980, dos trezentos e quarenta e sete grandes navios a vapor, registrados com tonelagem de dez mil toneladas ou mais, apenas e tão somente, menos de vinte e cinco deles eram maiores do que o da embarcação que NOÉ construiu. Sendo que por volta de 1890 dificilmente se poderia encontrar um navio em alto mar que não tivesse sido construído de acordo com as proporções quase exatas ao da arca de NOÉ, e, desde este tempo para cá, a tendência tem sido aumentar o comprimento dos barcos, em proporção à sua altura e à sua largura para aumentar a velocidade de deslocamento, uma questão com a qual NOÉ não se preocupava. Em relação à iluminação, circulação de ar e remoção dos odores os modernos arquitetos e construtores não poderiam melhorar em nada essa estrutura. Portanto essa é a arca de NOÉ, cômoda, adequada, sanitária, divinamente planejada, e, após 40 séculos ou quatro mil anos as excelências da grandiosa arca de NOÉ, só foram equiparadas pelos modernos navios construídos pelos melhores estaleiros do mundo quando passaram a ser modelados segundo o plano da arca de NOÉ.

Bem, tudo isso foi um relato extraído de uma pequena enciclopédia bíblica, para que não viéssemos a nos perder em números quando passássemos a falar e agora sim da determinação, do perseverante NOÉ.
Quando Deus ordenou a NOÉ que fizesse a arca, ele (NOÉ) o fez conforme tudo o que Deus lhe mandou, não pestanejou, pois teria motivos para tanto, uma vez que morava no meio duma região entre os dois rios já citados que não comportavam tal embarcação, quiçá ela pudesse vir a ser utilizada em mares e oceanos que distavam de 300 a 400 quilômetros aproximadamente do local do “estaleiro” de NOÉ.





Já pensaram nestas instalações, neste “estaleiro”, quantas tábuas, quantos pregos, quanto betume?, e na gozação dos vizinhos vocês pensaram?, todos os 120 anos de construção, os caras parando, meneando a cabeça e dizendo onde caberia tal geringonça? (Onde é que você vai pescar com esse barquinho NOÉ?).

E NOÉ, perseverantemente apenas respondia àquele povo: Deus disse que vai chover. Já falamos aqui que o relato bíblico nos capacita a dizer que a terra era regada apenas por névoas e até então o povo não sabia o que era uma chuva. Não tinha ainda pingado uma gota d’água na cabeça de qualquer ser vivente até então, por isso a descrença daquele povo, apenas NOÉ creu.
Já pensaram também quanto trabalho, em cortar os ciprestes na floresta, arrastar até o “estaleiro”, aparelhar tábua por tábua, para os diversos modelos de compartimentos da arca e seus respectivos tamanhos conforme a planta divina?, abrir espaço para essa obra na densa vegetação de então, e se não era densa a vegetação “pode alguns dizer que era uma região de área árida”, quanto então esse cara camelou para buscar toras e mais toras de cipreste para a tal construção. Devemos lembrar também que NOÉ não dispunha de meios de transportes, caminhões “munck”, guindastes, gruas, tratores; carretas, muito menos as estradas ou mesmo ruas existiam para transportar a tal geringonça.

Serraria e maquinário para o corte, nem pensar; você pensou numa “makita” né.?, mas não, foi tudo no braço mesmo; (êta academia boa hein?), e o pior de tudo, os caras gozando dele por 120 anos, e NOÉ perseverantemente pregando: Vai chover. Pensaram também no que foi passar betume por dentro e por fora naquele mastodonte, dia após dia debaixo daquele “paga-pau” geral da população gozadora dos 120 anos da construção? E perseverantemente, NOÉ ia pregando: Vai chover.

O resto se assim podemos dizer o mundo já sabe. NOÉ e sua família foi salva, e aos demais seres viventes foi fechado o acesso à “tábua” de salvação pelo próprio Senhor, impedindo os incrédulos de adentrarem àquele santuário (A arca).

Conheci um santo que também passou seus últimos anos sofrendo gozações e pilhérias das mais variadas, apenas porque pregava perseverantemente: cuidado, o pecado não é brincadeira. E os caras assim como fizeram com NOÉ gozando, cume qui é ô cara; Peca ou não Peca? E como NOÉ dizia perseverantemente: “vai chover...”

Quanta perseverança destes santos: melhor dizendo: quanta santa perseverança, pois foi por esta santa perseverança daquele santo homem de Deus, tão difamado, odiado, glosado, que aprendi: realmente o pecado não é brincadeira, e isto foi para mim salvação. E desde então perseverantemente tenho buscado nas sagradas letras, a determinação na pregação da santa doutrina da inclusão de toda a humanidade na morte do Senhor Jesus Cristo, para com isso ganhar na sua ressurreição uma nova vida, onde recebemos por estarmos unidos a ELE, a tolerância, o domínio próprio, não me deixando dominar pela humanidade e pelo humanismo que tenazmente nos assedia, para poder ser considerado por Ele apto a entrar no seu reino.

Apenas fazendo uma co-relação: NOÉ teve120 anos para construir toda a arca, e apenas uma semana para enchê-la de seus ocupantes tanto os limpos como os imundos. Assim é a igreja, tem trigo, mas também tem joio. Tem muitas denominações procurando com seus templos magníficos ostentarem mais do que comportam suas frágeis vidas sem a vida de Cristo. Assim vemos tanta igreja cheia de gente vazia. Portanto dos seus 950 anos vividos, NOÉ passou 120 deles construindo a arca (+ ou - 13% de sua vida).

A aliança de Deus com NOÉ e sua arca, prefigura uma outra aliança posterior, pois ela é tal e qual a arca da aliança, onde se encontravam a Vara que Floresceu; o Maná e as Tábuas da Lei, onde podemos novamente visualizar uma igreja sendo construída. A 1ª arca foi revestida de betume por dentro e por fora, já a 2ª Arca, era revestida de ouro tanto por dentro como por fora, visualizando assim o dever de sermos do mesmo teor de valor tanto no interior como no exterior, vide como Cristo chamou os incrédulos “crentes” de seu tempo “sepulcros caiados”, ou seja: por fora eram uma bela viola, mas por dentro pão bolorento.

Como aconteceu com o perseverante NOÉ, e, proporcionalmente nos dias modernos o tempo de vida de um ser humano pode chegar até aos 80 anos aproximadamente, 13% disto dão mais ou menos 11 anos, tempo mais que suficiente para um pequeno grupo de membros construírem uma igreja (arca), pequena é claro, guardando sempre as devidas proporções, disto eu tive experiência num tempo não tão distante, quando um grupo abnegado e até então perseverante, na oração, na doutrina, na comunhão, tinha tudo em comum, e nesta perseverança assim foi feito. Como próxima tarefa, teríamos uma casa pastoral: demandaria mais o que? 5 ou 6 anos? Pena que, ao se levar o humanismo para o interior das igrejas, seus membros terem deixado de lado tanto o querer como o efetuar do Senhor, em favor da satisfação de suas próprias necessidades pessoais, em detrimento da santificação dos seus membros. Apostando talvez que mais vale uma possível quantidade futura, do que até então a tão perseguida qualidade, através da perseverança na palavra.

E assim como diz a história que, com a industrialização indiscriminada infundida pelos países industrializados no ego do povo brasileiro, tiraram o Brasil dos trilhos (ferrovias); o inimigo talvez pela falta de fé, determinação, e conseqüentemente a falta de perseverança em se fazer apenas a vontade do seu Senhor, tenha e venha tirando de alguns membros ou pseudo líderes, e porque não dizer das próprias igrejas evangélicas em geral, a necessária determinação, provando com isso a falta da perseverança que os santos têm que ter no Senhor, buscando sempre fazer a vontade D”Ele como alvo único. Lembrem-se do perseverante NOÉ: Vai chover, assim como me lembro dum perseverante pastor que dizia: O pecado não é brincadeira.

Caso precisemos demorar os mesmos “120 anos” para a construção de nossa igreja, tanto quanto fez o determinado e perseverante NOÉ, devemos confiar que o Senhor poderá enche-la em muito menos que uma semana, muito embora nossa preocupação assim como o perseverante NÓE não seja necessariamente a velocidade da arca, mas com a sua estabilidade e assim dizendo com a qualidade e não a quantidade destes membros. O apóstolo Paulo pregando de casa em casa, saiu angariando fundos suprindo as necessidades dos irmãos da igreja de Jerusalém, pelos erros que ela própria cometeu quando optou pelo humanismo, ou melhor, por fazer aquilo que imaginou ser a vontade do Senhor, muito embora Ele mesmo nunca tê-los mandado fazer o que fizeram.
A perseverança na prédica da palavra da verdade, a tempo e a fora de tempo levará nossa arca a vir a ser cheia pelo Senhor quando e no tempo que Lhe aprouver.

A Ele toda honra, e toda a glória.

Roberto Silvestre, 26/6/2007.
Extraido do site:www.trocadecoracao.org.com(Recomendadissimi).